EN INGLES
Visite el sitio inglés
actualizado a diario
pulsando:
www.wsws.org

Análisis Actuales
Sobre el WSWS
Sobre el CICI

 

WSWS : Portuguese

G20 termina sem solução para conflitos cambiais

Por Barry Grey
16 de novembro de 2010

Utilice esta versión para imprimir | Comunicar-se com o autor

A cúpula do G20 realizada em Seul, Coréia do Sul, terminou sem qualquer acordo sobre políticas para superar as diferenças sobre os conflitos cambiais e comerciais que cresceram nas últimas semanas.

O presidente Barack Obama não conseguiu obter um consenso para exigir que a China permita que sua moeda, o renminbi (também conhecido como yuan), valorize mais rapidamente. Mas os EUA continuam a defender a sua política de imprimir centenas de bilhões de dólares, rejeitando as queixas de países desde a Alemanha, Japão e China até o Brasil, Tailândia e África do Sul de que Washington está deliberadamente desvalorizando o dólar, a fim de obter uma vantagem comercial sobre os seus concorrentes.

A política do dólar barato dos EUA foi agravada pela decisão do Federal Reserve na semana passada de lançar uma segunda rodada de “flexibilização quantitativa”, efetivamente imprimindo dólares para comprar US$ 600 bilhões em títulos do Tesouro dos EUA. A enxurrada de dólares americanos está fazendo subir as taxas de câmbio dos maiores exportadores, tais como a Alemanha e o Japão, assim como das economias emergentes de mais rápido crescimento na América Latina, Ásia e África. A política do Fed está gerando ondas de dinheiro especulativo que estão desestabilizando as economias emergentes, criando bolhas de ativos e o perigo da inflação galopante.

Os preparativos para a cúpula de dois dias, a quinta reunião dos chefes de governo do G20 desde o crash financeiro de Setembro de 2008, foram marcados por recriminações públicas duras, com os maiores exportadores do mundo, a China e a Alemanha, em particular, acusando os EUA de manipulação da moeda e de protecionismo. Por seu lado, Washington culpou o vasto e crescente desequilíbrio na economia mundial em países como a China e, por consequência, a Alemanha.

Para não abrir brechas, o que poderia provocar um colapso dos mercados financeiros e a erupção de moeda descontrolada e de uma guerra comercial, o campo de guerra trabalhou na madrugada de sexta-feira para emitir um comunicado vago o bastante para encobrir as diferenças não resolvidas e permitir que os participantes interpretassem os diferentes pontos de acordo com seus interesses nacionais.

A declaração dizia que os líderes haviam concordado em se mover em direção a “sistemas de taxa de câmbio mais determinados pelo mercado, melhorando a flexibilidade da taxa de câmbio de modo a refletir os fundamentos econômicos subjacentes ...” Este texto foi inserido por insistência dos Estados Unidos e dirigido principalmente contra a China, que intervém regularmente em mercados cambiais para controlar o aumento de sua moeda em relação ao dólar. Pequim, no entanto, insiste que já está se movendo precisamente na direção indicada no comunicado.

Os líderes também se comprometeram a evitar a “desvalorização competitiva das moedas”. Isto foi amplamente dirigido contra os EUA e inserido por insistência de uma série de países que se opõem à política monetária ultra-frouxa do Fed . A delegação dos EUA lutou sem sucesso para substituir a palavra “desvalorização” por “subvalorização”, a fim de transferir o ônus maior para os chineses. Em qualquer caso, os políticos dos EUA desde Obama ao secretário do Tesouro, Timothy Geithner, passaram grande parte do encontro de dois dias solenemente admitindo que os EUA não estão seguindo agora, e nunca seguiriam uma política de dólar barato.

A linha básica dos EUA foi a de que o estímulo monetário era necessário para reativar a economia dos EUA, e o que era bom para os EUA era bom para o mundo.

A declaração do G-20 teve o tom de promessa: "As economias avançadas, incluindo aquelas com moedas de reserva, serão vigilantes contra a volatilidade excessiva e movimentos desordenados nas taxas de câmbio”. Isto também foi dirigido contra os EUA, que têm sido amplamente acusado de explorar o papel privilegiado do dólar como principal moeda de reserva mundial para seguir um caminho unilateral e nacionalista que está agravando a instabilidade financeira global.

A mando de mercados emergentes que cada vez mais recorrem a controles de capital para conter o afluxo de capital especulativo do exterior, o comunicado sancionou medidas de controle “cuidadosamente projetadas”.

Repetiu o chamado para concluir a rodada de negociações de liberalização comercial de Doha, lançada em 2001.

Sobre a questão mais controversa — a proposta dos EUA para a imposição de um limite de 4% do produto interno bruto, sobre os desequilíbrios das nações em conta corrente, os excedentes, assim como os déficits, o G20 adiou qualquer ação. Os principais países exportadores, como China, Alemanha e Japão são inflexivelmente contra o plano dos EUA, que temem que seria usado para forçá-los a reduzir suas exportações a favor dos países com déficit — em primeiro lugar, os Estados Unidos.

Os EUA desenvolveram este programa, em uma reunião de ministros das finanças do G20, em outubro, mas abandonou a tentativa de desenvolver uma medida quantitativa dos desequilíbrios em face da feroz oposição. O comunicado emitido sexta-feira pediu que os ministros das finanças do G20 e banqueiros centrais relatassem no ano seguinte o "progresso" através de “orientações indicativas” do comércio e equilíbrios e desequilíbrios de pagamentos.

Há relatos de que as negociações sobre o texto do comunicado foram turbulentas e acaloradas. “Esta não foi uma demonstração de amor”, disse um funcionário que participou das negociações. O Financial Times citou um oficial britânico, dizendo: “Você pode dizer como as negociações foram difíceis por quão ruim foi a linguagem”.

De outro lado, para os EUA e o governo Obama, intensas negociações para finalizar uma longa procura por um acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul não conseguiram produzir um acordo. As negociações fracassaram, evidentemente, sobre as exigências dos EUA para as concessões de Seul sobre o comércio de automóveis e carne em comparação com os termos de um pacto elaborado em 2007 entre a Coreia do Sul e o governo de Bush, mas nunca levado à votação no Congresso.

O fracasso da cúpula do G20 anuncia uma intensificação dos conflitos comerciais e cambiais que ameaçam desencadear uma guerra comercial global. O resultado das reuniões bilaterais realizadas quinta-feira por Obama com o presidente chinês, Hu Jintao, e a chanceler alemã Angela Merkel ressaltaram o desacordo entre os campos opostos.

Na sua conferência de imprensa em Seul, na sexta-feira, Obama disse que “apurou ontem com o presidente Hu da China” que “as economias emergentes precisam permitir moedas que são orientadas para o mercado”. Em um ataque velado, ele continuou: "Todos nós precisamos evitar ações que perpetuem desequilíbrios e dê aos países uma vantagem indevida em relação um ao outro”.

Em resposta a uma pergunta, Obama foi mais belicosos, dizendo que “a questão do [renminbi] é irritante não apenas para os Estados Unidos, mas para um monte de parceiros comerciais da China e para aqueles que estão competindo com a China para vender mercadorias em todo o mundo. Ele está desvalorizado. E a China gasta enormes quantias de dinheiro intervindo no mercado para mantê-lo subestimado.

Por sua vez, os chineses sugeriram que a política monetária de Washington foi imprudente e negligente de suas consequências internacionais. Zheng Xiaosong, o diretor-geral do Departamento Internacional do Ministério de Finanças, em entrevista coletiva na cúpula: "Os emitentes das principais moedas de reserva, enquanto implementam suas políticas monetárias, não devem ter apenas em conta as suas circunstâncias nacionais, mas também devem ter em mente os possíveis impactos sobre a economia global”.

Merkel, em um discurso em Seul, em alusão depreciativa à uma enorme dívida externa e déficits comerciais dos EUA, declarou: "Na tarefa pela frente, o valor de referência deve ser os países que foram mais competitivos, para não reduzir ao menor denominador comum”.

A cúpula é outra indicação de que todo o sistema de relações econômicas globais pós-II Guerra Mundial está se desintegrando. No centro desta crise está a grande queda dos EUA na posição econômica mundial. Os EUA estão deliberadamente tentando alavancar sua decadência econômica— refletida na enorme queda no valor do dólar e do correspondente aumento do preço do ouro —para descarregar sua crise no resto do mundo.

Na véspera da cúpula, o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, reconheceu que o atual sistema monetário, com base na supremacia do dólar, não é mais viável. Ele propôs um sistema baseado em múltiplas moedas de reserva e de alguma forma ligadas ao ouro.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, que será o anfitrião da próxima cúpula do G20, disse nesta sexta-feira: “Houve um momento em que houve uma economia dominante, os Estados Unidos, e uma moeda, o dólar. Estamos enfrentando um novo mundo ... e nós precisamos de um sistema monetário multilateral”.

Na sequência da cúpula, o Bangkok Post relatou que o primeiro-ministro tailandês Abhisit Vejjajiva propôs usar o renminbi chinês como a moeda de troca principal na região da Ásia-Pacífico para diminuir o impacto do enfraquecimento do dólar americano.

[traduzido por movimentonn.org]

Regresar a la parte superior de la página



Copyright 1998-2012
World Socialist Web Site
All rights reserved