World Socialist Web Site www.wsws.org

WSWS : Portuguese

Encontro expõe divisões entre ministros de economia dos países europeus

Por Stefan Steinberg
13 de dezembro de 2010

Utilice esta versión para imprimir | Comunicar-se com o autor

Publicado originalmente em inglês em 15 de dezembro de 2010

Uma reunião de ministros de Finanças europeus na segunda-feira e terça-feira revelou profundas e crescentes divisões entre os governos europeus sobre como lidar com o agravamento da crise econômica do continente.

Em particular, os dois dias de cúpula em Bruxelas mostrou um endurecimento de posições dividindo vários países do norte europeu liderados pela Alemanha do resto da Europa.

As discussões na reunião foram dominadas por duas novas propostas de medidas de emergência para lidar com a crise da dívida.

No fim de semana, o primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean Claude-Juncker, e o ministro das finanças italiano, Giulio Tremonti, publicaram um artigo no Financial Times, convocando os políticos europeus a emitirem de um novo tipo de título, o chamado euro-bond, para substituir o atual sistema de separação de títulos dos governos nacionais.

A segunda proposta discutida na reunião do Eurogrupo foi a forte alta no fundo criado no início deste ano para resgatar os bancos europeus e defender a moeda comum do continente, o euro. Na esteira da crise da dívida grega, os governos europeus concordaram com um fundo de emergência de 445 bilhões de euros, o Fundo Monetário Internacional (FMI) da União Europeia, para lidar com novas contingências econômicas.

Seguindo o recente pacote de 85 bilhões de euros para os bancos irlandeses e a ameaça iminente de mais resgates europeus, as principais instituições financeiras e os lobistas têm intensificado a sua chamada para mais um, de quatro, aumento do fundo de resgate europeu, ou seja, um fundo totalizando 2.000 bilhões de euros.

A proposta de uma forte injeção de dinheiro novo para o fundo de resgate foi feita no fim de semana por Didier Reynders, ministro de Finanças belga, que preside o conselho da UE para assuntos econômicos. Reynders alegou também que o FMI apoiou essa iniciativa. A Bélgica recentemente foi incluída na lista dos países europeus que, de acordo com os mercados e as agências de avaliação, têm necessidade de iminente apoio financeiro da União Europeia.

No encontro, ambas as propostas foram torpedeadas pelos principais políticos alemães, que são referidos como tendo o apoio de pelo menos dois outros governos europeus, a Áustria e a Holanda.

Numa conferência de imprensa em Berlim, na segunda-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse que não vê necessidade de aumentar o tamanho do fundo de resgate de 445 bilhões de euros da União Europeia. Merkel também rejeitou a proposta do eurobond, argumentando que tal relação violaria tratados europeus.

Os comentários de Merkel foram precedidos por declarações do ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, que concedeu uma entrevista ao jornal Bild no fim de semana. Schauble deixou claro que ele rejeitou tanto um eurobond quanto qualquer aumento do fundo de resgate europeu.

A postura assumida pela Alemanha, apoiada por um punhado de outros governos, irá intensificar o fosso cada vez maior na Europa. A desunião que reinou na cúpula de Bruxelas é sintoma da intensificação das divisões nacionais e do crescimento do egoísmo nacional na Europa.

Por alguns anos após a introdução do euro em 1999 foi possível mascarar as diferenças de crescimento econômico entre as nações europeias.

Os principais bancos europeus - com os da Alemanha, França, Áustria e Suíça na linha de frente - bombearam dinheiro nas mais fracas economias periféricas e orientais da Europa. Este influxo de fundos abasteceu a demanda para os bens de consumo das principais potências exportadoras como a Alemanha. Também alimentou as bolhas imobiliárias e da dívida que explodiram de forma tão espetacular na Irlanda e na Espanha.

Esta estratégia de investimento dos bancos europeus foi aprovada e incentivada por seus respectivos governos nacionais. Na Alemanha, o governo do partido social-democrata-verde que tomou o poder em 1998 introduziu a legislação que facilitou a estratégia de investimento internacional dos principais bancos da Alemanha.

Por quase uma década, com base em sua moeda comum, foi possível para a elite política europeia encobrir as disparidades econômicas entre os países europeus e projetar uma imagem de crescente harmonia e integração. Esta política explodiu em 2008 com a queda do Lehman Brothers e do início da crise financeira internacional.

A crise que começou nos EUA logo revelou a podridão dos investimentos feitos pelos bancos europeus. Um governo europeu após o outro reagiu através da implementação de um resgate em massa ao seu sistema bancário. Pela primeira vez na história, o governo alemão interveio para nacionalizar um banco alemão, bombeando um total de 105 bilhões de euros no Hypo Real Estate, que havia investido fortemente na bolha especulativa irlandesa.

Agora, a chanceler alemã rejeita o aumento do fundo de resgate europeu e propostas para um eurobond, pois isso teria consequências negativas para os bancos alemães e empresas alemãs. Ambas as propostas implicam gastos extras de Berlim, que são agressivamente contrapostos por parte das empresas e lobbies financeiros do país.

A própria alternativa da Alemanha é a imposição de duras sanções sobre as fracas economias europeias. Isto está exigindo e tentando garantir o poder de impor o tipo de táticas de "terapia de choque" implementadas pelo FMI em uma série de países latino-americanos na década de 1990, e que prevaleceram em toda a Europa de Leste após o colapso da União Soviética.

De uma força líder para a integração europeia no período pós-guerra, a Alemanha está se transformando em uma força de desestabilização e divisão na Europa. A economia alemã tem se beneficiado enormemente a partir da introdução do euro, o fato é que os círculos financeiros e empresariais, juntamente com o governo alemão, fazem questão de manter a moeda comum.

Ao mesmo tempo, a crescente orientação nacionalista do governo alemão levou a um acalorado debate político sobre o futuro do euro e da própria União Europeia. Em uma coluna para o jornal Süddeutsche Zeitung nesta terça-feira, o ex-ministro alemão e líder dos Verdes, Joschka Fischer, atacou duramente o governo alemão, acusando-o de ter "amnésia" histórica e de incentivar uma "Europa alemã", em vez de uma “Alemanha europeia”.

Enquanto isso, em um lançamento de livro em Berlim na semana passada, o ex-chefe da federação industrial alemã BDI, Hans-Olaf Henkel, apresentou o seu novo livro, intitulado Rescue Our Money (Salve Nosso Dinheiro). A própria proposta de Henkel para a crise é dividir a zona do euro em dois, com o norte da Europa (Alemanha, Países Baixos, Áustria), de um lado e os países do sul, como Espanha, Itália e França, em outro.

A proposta de Henkel é nada menos do que um trampolim para o rompimento do euro e da desintegração da Europa como um todo. O seu livro é amplamente recomendado pelo proeminente social-democrata, Thilo Sarrazin, que recentemente publicou seu próprio livro difundindo argumentos racistas contra imigrantes muçulmanos. O convidado de honra no lançamento do livro Rescue Our Money era ninguém menos que o ministro das Finanças alemão, Rainer Bruederle.

[Traduzido por movimentonn.org]

 



Copyright 1998-2012
World Socialist Web Site
All rights reserved