World Socialist Web Site www.wsws.org

WSWS : Portuguese

Manobra de pseudo-esquerdas do Brasil em direção à frente eleitoral

Por Bill Van Auken
12 de dezembro de 2013

Utilice esta versión para imprimir | Enviar por email | Comunicar-se com

Publicado originalmente em inglês em 18 de novembro de 2013

Cinco meses após as grandes manifestações que abalaram Brasil em junho passado, nenhum dos problemas que levaram milhões nas ruas - desigualdade social, abandono de essencial infraestrutura social e a corrupção os interesses próprios do governo do Partido dos Trabalhadores -PT) governo - foram resolvidos de forma mínima.

A perspectiva de uma outra explosão social de massa , que fuja do controle do PT, dos sindicatos e das diversas organizações pseudo -esquerda que orbitam à sua volta, continua a ser o medo primordial dentro dos grupos de controle de decisões do país.Em condições em que as grandes massas de pessoas que trabalham são profundamente alienadas de toda a configuração política, setores da esquerda pequeno-burguesa do Brasil estão manobrando para criar um novo instrumento político destinado a desviar tal movimento para canais que não ameacem os interesses do imperialismo e da aristocracia corporativa e financeira do Brasil .

Esse é o significado de uma carta aberta publicada no mês passado pelo PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado), um partido que se originou no movimento revisionista liderado pelo falecido centrista argentino Nahuel Moreno e fazia parte do PT antes de ter sido expulso no início dos anos 1990. O objetivo desta declaração foi iniciar manobras políticas sórdidas que visam emendar uma coalizão eleitoral de "frente de esquerda".

Com quase um ano faltando para que as cédulas de votação sejam lançadas , o partido governante do Brasil- PT , seus adversários políticos e seus aliados já estão se movendo para o modo de campanha para a eleição de 2014. A votação vai determinar se o PT, que têm governado o país durante uma dúzia de anos, se manterá na presidência e contará com eleições para os legislativos federais e estaduais, para governadores e prefeitos municipais.

A presidente Dilma Rousseff do PT, assim como Aécio Neves e José Serra, os dois indivíduos que disputam a nomeação do principal partido de oposição de direita, o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), foram viajando pelo o país em crescentes rodadas de discursos políticos .

Os partidos menores estão se alinhando com uma ou outra destas forças ou se preparando para lançar seus próprios candidatos , enquanto novos partidos foram formados como parte das maquinações políticas dentro dos centros de decisão em preparação para a próxima eleição .

Nestes estão incluídos o Solidariedade, um partido criado por Paulo Pereira da Silva, deputado federal de São Paulo e líder da Força Sindical , que foi formado como uma pelega Central Sindical em oposição à maior, a CUT , (Central Única de Trabalhadores), que é politicamente alinhada com o PT. Longe de qualquer tentativa de fornecer uma voz independente para a classe trabalhadora, o Solidariedade é meramente uma reconfiguração de vários políticos visando maximizar o seu poder pessoal e acesso aos financiamentos.

A tentativa significativa para forjar um novo partido burguês foi a de Marina Silva, a ex- ministra do Meio Ambiente no governo petista do ex- líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva. Marina (como é universalmente conhecido na mídia brasileira) concorreu como candidata presidencial do Partido Verde em 2010 , ganhando mais de 19 por cento dos votos . Sua Rede Sustentabilidade , embora apoiada por grandes interesses financeiros como uma alternativa ao PT mais potencialmente "ideal para negócios” , não conseguiu limpar os obstáculos legais para o registro do partido. Ela já se alinhou com o PSB (Partido Socialista Brasileiro) do Governador de Pernambuco Eduardo Campos, e prevê-se que ela vai estará na cédula como candidata à vice-presidência .

Rousseff viu seu índice de aprovação baixar em mais da metade no rescaldo dos últimos protestos de junho e sua reeleição que estava aparentemente assegurada para 2014 ficava em sérias dúvidas (desde então recuperou-se um pouco, graças às revelações de que a NSA americana estava a espionar a ela e o governo).

É neste contexto que o presidente PSTU Zé Maria lançou em 28 outubro sua carta aberta. Foi dirigida ao Partido Comunista Brasileiro stalinista (PCB) e ao PSOL (Partido do Socialismo e Liberdade), formada em 2004 por uma facção de políticos expulsos do PT por se oporem a reforma da previdência introduzida pelo governo Lula. Proeminente entre eles eram membros da Democracia Socialista (DS) , a filial brasileira do movimento pablista . Mesmo que alguns de seus partidários tenham sido expulsos do PT e fundaram o PSOL , outros ficaram dentro do partido, segurando-se em posições importantes .

A última aparição da Frente de Esquerda em uma eleição nacional foi em 2006 , quando o PSTU e o PCB unidos em torno do candidato presidencial do PSOL Heloisa Helena, uma defensor da DS- Democracia Socialista e senadora federal, do estado nordestino de Alagoas. A Frente, cuja campanha elaborada com base em um programa completamente capitalista centrada sobre a proposta de taxas de juros mais baixas , ganhou mais de 6,5 milhões de votos, ou 6,85 por cento dos votos expressos no Primeiro turno da eleição .

Na última eleição presidencial , em 2010 , o esforço para reconstituir a Frente de Esquerda debateu-se , em grande parte porque o PSOL estava amargamente dividido entre aqueles que queriam lançar o seu apoio ao Partido Verde e à candidata Marina Silva e aqueles que queriam lançar o candidato do próprio partido. Liderando a facção que queria a união com o Partido Verde, o qual estava atraindo um apoio substancial das grandes empresas, foi Heloisa Helena , que, como Marina Silva, é uma cristã fervorosa e uma ardorosa opositora do direito ao aborto.

O PSOL , PSTU e PCB, cada qual lançou seu próprio candidato presidencial em 2010 –vencido pela petista Dilma Rousseff , recebendo menos de um por cento dos votos.
Em sua carta aberta, do PSTU Zé Maria afirma que a reconstituição da Frente de Esquerda para 2012 é urgente, porque o “apoio popular" para o governo do PT "começou a sofrer uma forte erosão, começando com as manifestações em junho." Ele acrescenta que este é” o ampliar o espaço e as possibilidades de uma alternativa para a esquerda."A tarefa, de acordo com a carta do PSTU , é apresentar uma “alternativa de classe e socialista", que seja "livre de qualquer relação ou participação de setores da burguesia.”O que é uma fraude! O PSOL é em si um partido burguês, formado por políticos, cujo objetivo é reviver o projeto original do Partido dos Trabalhadores, que se tornou o instrumento preferido de governo para os bancos e empresas brasileiras .

Toda a existência do PSOL está ligada a acordos políticos imundos, até mesmo com os maiores partidos burgueses de direita no Brasil, não sendo nenhum segredo. Mesmo Zé Maria se sente compelido a observar "os processos e exemplos" em curso da atividade política do PSOL que causam aos morenistas” preocupação".
Isto incluiu o fato do PSOL vencer uma eleição para prefeito em Macapá, capital do estado nordestino do Amapá, em uma campanha de 2012, em que aliou-se tanto com o DEM (o sucessor do ARENA , o partido oficial de 20 anos de ditadura militar no Brasil) e o PSDB , principal partido de oposição de direita do país. No governo , o partido continuou esta aliança, agindo para reprimir greves de professores e outros funcionários públicos.

Zé Maria cautelosamente não fez nenhuma menção das atuais divisões amargas dentro do PSOL sobre a tentativa de Marina Silva para formar um novo partido burguês de direita. O PSOL suspendeu vários membros líderes em março passado - incluindo Heloisa Helena, a ponta-de-lança da última Frente de Esquerda - por apoiar ativamente Marina neste esforço fracassado . Só depois de a Rede Sustentabilidade de Marina da Silva não conseguir ganhar registro de votação foi que Heloisa Helena voltar ao rebanho do PSOL para ser lançada candidata ao senado pelo estado de Alagoas.

"Nós também não podemos ignorar os episódios de empresas que financiam os candidatos deste partido em eleições passadas," Zé Maria acrescenta em relação ao PSOL , cujo candidato em Porto Alegre ganhou financiamento da grande empresa de aço , a Gerdau . Estas críticas são feitas com tristeza do que com raiva, com o PSTU efetivamente dizendo a seu proposto aliado : "Vá e não peques mais.”

Quanto ao PCB , também aqui dificilmente se poderia encontrar um veículo menos provável para a realização de uma campanha política baseada na independência da classe trabalhadora e da luta pelo socialismo . O que restou do principal partido stalinista brasileiro, que se dissolveu na esteira da dissolução da União Soviética, e se manteve firme ao legado do stalinismo, avançando sua perspectiva histórica da Frente Popular, subordinando o movimento da classe trabalhadora a uma aliança com os partidos burgueses em uma "luta pela democratização" do Estado .

Na busca de uma aliança eleitoral com esses partidos, o PSTU está agindo como um inimigo amargo da independência política da classe trabalhadora na luta pelo socialismo.

Os morenistas brasileiros reagiram com choque, medo e hostilidade à erupção das lutas de massa nas ruas do Brasil em junho passado. Diante da hostilidade expressa em muitas das manifestações contra os partidos da pseudo-esquerda e os ataques físicos que aconteceram em alguns deles, o PSTU se juntou com o aparato sindical e até mesmo com os representantes do PT , para supervisionar os ataques repressivos contra as manifestações, na busca de uma frente comum.
Se agora está ansioso para reunir uma coligação de “Frente de Esquerda” para a eleição de 2014, com a finalidade de dar vida às ilusões desintegradoras de que as demandas da classe trabalhadora podem ser atendidas ao reviver as perspectivas políticas sobre as quais o PT embarcou em um período anterior . O efeito de uma tal campanha só pode ser desviar as lutas da classe trabalhadora e amarrá-la de forma mais eficaz ao círculo governante do Brasil .

O objetivo deste projeto não é promover os interesses nem dos trabalhadores e nem dos oprimidos, mas os interesses de uma camada da classe média alta privilegiada o que inclui seções da burocracia sindical , no qual o PSTU tem cargos , e os setores políticos, que estão um pouco afastados dos políticos burgueses corruptos do PT , a quem há pouco tempo chamavam de “camaradas”.

A verdadeira orientação de classe deste partido que está chamando para uma “alternativa de classe e socialista” em 2014 encontra a sua expressão mais desnuda na linha internacional avançada do PSTU , que está em apoio direto ao imperialismo dos EUA .

O PSTU não só juntou-se internacionalmente a outros grupos pseudo-esquerda - tais como a Organização Socialista Internacional nos EUA , o Novo Partido Anti-Capitalista da França, o Partido de Esquerda na Alemanha e o Partido Socialista dos Trabalhadores na Grã-Bretanha, no sentido de dar apoio à orquestrada guerra reacionária imperialista - pela mudança de regime na Síria.

Deu um passo significativo adiante, insistindo que a tarefa dos "socialistas" é travar uma campanha pública exigindo que os EUA e outras grandes potências imperialistas derramem mais e melhor armamento para os "rebeldes" da -Qaeda Al servindo como força agente de Washington.

Como Syriza na Grécia ou os Socialistas Revolucionários no Egito, o PSTU brasileiro está se alinhando mais abertamente com o estado e o imperialismo. Sua promoção da Frente de Esquerda para a eleição 2014 é mais um passo nesse caminho cada vez mais reacionário.

 



Copyright 1998-2017
World Socialist Web Site
All rights reserved