A violência fascista e a política racial e do racismo

8 Agosto 2019

Publicado originalmente em 6 de Agosto de 2019

Os tiroteios em massa nos Estados Unidos no final de semana, segundo a manchete da edição de segunda-feira do New York Times, abalaram “uma nação perplexa em seu âmago”. Os massacres em El Paso, no Texas, e Dayton, em Ohio, “foram suficientes”, continuou o Times, “para deixar o público atordoado e abalado”.

Não está claro como os editores do Times puderam determinar, em poucas horas, o humor de 340 milhões de pessoas. Pode haver, é claro, certo grau de confusão e perplexidade, como sempre acontece em meio a eventos tão chocantes. Mas a “perplexidade” está longe de ser a única resposta, e muito menos a dominante. Houve muitos assassinatos em massa nas últimas duas décadas para que os cidadãos ficassem apenas perplexos. Há muita raiva e indignação. As pessoas estão cansadas de ouvir os políticos responderem a esses assassinatos em massa com os discursos de sempre. Na noite de domingo, os participantes de uma vigília em Dayton gritavam para o governador republicano de Ohio, Mike DeWine, “fazer alguma coisa!” em relação aos assassinatos em massa.

Em qualquer caso, na medida em que há “perplexidade” – isto é, confusão quanto às razões para essa enorme quantidade de assassinatos –, o New York Times e o resto da mídia fizeram tudo o que puderam para desorientar e enganar o público.

Ao invés de realizar um exame sério do ambiente social e político que levou ao ressurgimento da violência fascista, o Times e os setores mais influentes da mídia capitalista afirmam que a causa essencial dos assassinatos em massa encontra-se em um difundido e orgânico racismo, que é um componente quase inato e impossível de se erradicar da identidade “branca”.

Na manchete de seu principal editorial de segunda-feira, o Times declarou: “Temos um problema terrorista nacionalista branco”. O termo “nacionalista branco” ou “nacionalismo branco” aparece 20 vezes em um editorial que exige uma campanha como aquela da “guerra ao terror”. No entanto, há apenas uma referência passageira e acidental ao fascismo e ao nazismo. Uma avaliação racialista da causa da violência toma o lugar de uma explicação política.

A mesma edição do Times traz um artigo de opinião de Melanye Price, autora de The Race Whisperer: Barack Obama and the Political Uses of Race. Com o título “O racismo é problema de todos”, Price escreveu que Trump “escolheu utilizar questões como imigração, crime e o censo para fomentar os medos raciais entre os brancos”. As soluções reais para essa situação “exigem uma discussão franca com as pessoas que cometem racismo e que se beneficiam de políticas racistas”.

Aqueles que “se beneficiam” das políticas racistas, segundo Price, são o que ela repetidamente chama de “pessoas brancas”. Ela espera que os candidatos presidenciais discutam “como o privilégio branco e o racismo moldaram tão profundamente esse país que alguns brancos não podem sequer ver como se aproveitam dos benefícios racistas”. Isto é, “pessoas brancas” são beneficiárias universais do “privilégio branco” e do racismo, mesmo que elas se oponham ao racismo.

É claro que o racismo existe, assim como os supremacistas brancos, mas o conceito de uma “raça branca” ou uma “nação branca” é absurdo do ponto de vista biológico ou da situação histórica. Não há interesses que unificam todas as “pessoas brancas”, uma categoria que obscurece as imensas divisões de classe que caracterizam a sociedade estadunidense.

Enquanto as organizações fascistas têm apoio ainda muito limitado, a narrativa racialista do Times serve para lhes dar legitimidade política e apresentá-las como representantes genuínas das “pessoas brancas”. Isso é acompanhado pela promoção do mito do “privilégio branco”, que possui o objetivo de atravessar e minar um sentimento de solidariedade de classe.

Esse não é um tema novo para o Times, embora ele o tenha levado adiante com ferocidade crescente nos últimos cinco anos. Em novembro de 2016, cinco dias antes da eleição de Trump, Amanda Taub do Times declarou que a campanha de Trump era o produto de uma “crise de identidade branca” causada pelo fato de que os “brancos da classe trabalhadora” que anteriormente haviam sido “duplamente abençoados” agora estavam perdendo seus privilégios.

Hillary Clinton baseou sua campanha eleitoral de 2016 na reacionária política de identidade racialista, juntamente com alegações de que existem divisões irreconciliáveis de gênero e orientação sexual. As alegações sobre a “cultura do estupro” que prevalece entre os homens, do patriarcado, que foram levadas adiante pela campanha #MeToo, cumprem uma função semelhante. Trata-se de uma perspectiva que desdenha os interesses da classe trabalhadora como um todo.

Foi a recusa de Clinton em fazer qualquer apelo aos interesses da classe trabalhadora durante a eleição de 2016 que abriu caminho para a eleição de Trump. A política racialista dos democratas explodiu na cara deles em 2016, mas eles estão intensificando-a agora.

A origem política da linguagem utilizada pelo Times é a direita política, não a esquerda. Como o WSWS escreveu na época, a coluna de Taub “faz de maneira improvisada e imprudente afirmações sobre as crenças e os medos da ‘branquitude’ e das ‘pessoas brancas’ que se assemelham muito mais ao entusiasmo de uma figura como o ideólogo nazista Alfred Rosenberg do que a qualquer tradição democrática nos EUA”.

Em um estágio anterior do liberalismo estadunidense, Martin Luther King Jr. expressou opiniões amplamente compartilhadas quando disse em 1961 que a ideia de “diferenças intrínsecas” entre as raças “foi inventada por pessoas de fora que procuram desunir ao dividir os irmãos porque a cor de sua pele tem um tom diferente”.

As ideias têm consequências, e a promoção da política racial – de ambos os lados do establishment político – está se transformando em atos evidentes de violência. Se o Times está certo de que o mundo está dividido em raças separadas com interesses distintos e antagônicos, a conclusão lógica seria alguma forma de separatismo racial, que é exatamente o que Patrick Crusius, o atirador de tendência fascista de El Paso, propõe.

A promoção da política racial é impulsionada por uma agenda política muito consciente, que foi teoricamente preparada ao longo de décadas. Essa política tem suas origens nos pensadores antimarxistas e pós-modernistas que insistem que classe foi substituída por raça e gênero como os mecanismos centrais da repressão. Essas negações reacionárias da “primazia ontológica da classe trabalhadora” não só provaram ser politicamente erradas – os antagonismos de classe hoje são mais intensos do que nunca – como tornaram-se centrais no funcionamento da política burguesa.

A política racial é a política da oligarquia. Nem o racismo de Trump nem a política de identidade do Times representam os interesses de qualquer “raça” da classe trabalhadora. Trata-se de uma política da classe dominante que está, de uma forma ou de outra, procurando colocar os trabalhadores uns contra os outros. A luta contra o fascismo e o racismo é a luta para unificar todas as seções da classe trabalhadora contra o capitalismo. Todos os esforços para negar essa verdade fundamental são politicamente reacionários.

Joseph Kishore