Mais de três milhões de leitores individuais já acessaram o World Socialist Web Site desde o início de 2020

Por David North e Andre Damon
30 Abril 2020

Publicado originalmente em 27 de abril.

Os número de leitores do World Socialist Web Site cresceu consideravelmente nos Estados Unidos e internacionalmente desde o início de 2020.

Entre 1º de janeiro e 26 de abril de 2020, o WSWS foi acessado por 3,2 milhões de visitantes únicos (ou seja, leitores individuais). O número total de visitas ao site é de 5,6 milhões. O número total de páginas visualizadas pelos leitores do WSWS é de 8,7 milhões.

No mês de março, o WSWS foi acessado por 1,6 milhões de visitantes únicos. Esses visitantes acessaram o WSWS 2,1 milhões de vezes. O número total de páginas visitadas pelos leitores foi de 3,1 milhões.

Esses resultados estão baseados no sistema de análise interno do World Socialist Web Site, que segue os parâmetros estabelecidos pelos especialistas no setor, excluindo o tráfego automático e contabilizando apenas as visitas de pessoas físicas.

Visualização mensal de páginas do WSWS desde janeiro de 2019

A característica mais importante do público do WSWS é o seu alcance internacional. Publicado em 15 idiomas, o World Socialist Web Site tem um público significativo em dezenas de países.

Entre 1º de janeiro e 26 de abril, o site recebeu 545.869 visitas do Reino Unido, 221.717 da França, 51.411 do Brasil, 29.189 da Turquia e 73.911 da Índia. Nesse mesmo período, nos 20 países onde o site foi acessado com maior frequência os números de visitas foram os seguintes:

Visitas por país neste ano

Em janeiro, o número total de visitas por leitores dos Estados Unidos foi de 514.277. Em março, as visitas ao WSWS provenientes dos EUA chegaram a 853.469.

O número de visitas mensais de leitores da Alemanha foi de 117.465 em janeiro e 369.855 em março.

O número de visitas mensais de leitores do Brasil foi de 18.224 em janeiro e 19.897 em março.

O número de visitas mensais de leitores do Reino Unido foi de 100.417 em janeiro e 179.341 em março.

O número de visitas mensais de leitores da França foi de 46.145 em janeiro e 78.362 em março.

O número de visitas mensais de leitores da Índia foi de 15.370 em janeiro e 22.400 em março.

O número de visitas mensais de leitores da Turquia foi de 7.118 em janeiro e 9.884 em março.

Esse crescimento do número de leitores, do total de visitas e do número de páginas acessadas reflete a radicalização política da classe trabalhadora.

O aumento do número de leitores é ainda mais significativo por ter sido alcançado apesar dos esforços persistentes do Google, Facebook e outras plataformas de redes sociais, como o Reddit, de censurar e bloquear o acesso ao WSWS.

A censura do WSWS pelo Google se mostra especialmente intensa – e mais óbvia – nos resultados a pesquisas que envolvem termos como "socialismo", "marxismo" e "trotskismo". O Google geralmente direciona tais buscas a sites hostis ao socialismo ou sites pseudoesquerdistas cujo número de leitores é apenas uma fração daquele do WSWS.

Apesar dessa censura, o crescimento do número de leitores do WSWS indica uma mudança na relação de forças políticas entre o movimento revolucionário socialista representado pelo World Socialist Web Site (órgão político dos trotskistas do Comitê Internacional da Quarta Internacional) e as tendências políticas burguesas e de classe média da esquerda liberal.

O Alexa, um serviço de classificação do tráfego na web, faz rankings do posicionamento global e nacional de todos os web sites.

Ranking global da Alexa do tráfego na internet, de 25 de abril (um número menor representa uma posição mais alta no ranking)

A posição do World Socialist Web Site no ranking global, registrada pelo Alexa em 25 de abril, é 14.948. A posição no ranking global da revista Jacobin (jacobinmag.com), que é o principal órgão político afiliado aos Socialistas Democráticos da América, é 24.287, ou seja, mais de 9.000 lugares abaixo do WSWS. Na medição apenas dos leitores nos Estados Unidos, a classificação do WSWS é 4.490. No ranking dos Estados Unidos a Jacobin ocupa a posição 6.943, aproximadamente 2.500 posições abaixo do WSWS.

O WSWS supera a Jacobin apesar da frequente promoção que ela recebe do New York Times e outros veículos de notícias associados ao Partido Democrata. Com exceção das notícias sobre a recente controvérsia envolvendo o Projeto 1619 do New York Times, a existência do World Socialist Web Site é raramente mencionada pela imprensa capitalista.

O número de leitores do WSWS está aumentando em variados tópicos, desde a análise política diária até a cobertura da produção artística e polêmicas históricas, incluindo as respostas ao Projeto 1619 do New York Times.

Os artigos mais populares têm sido aqueles relacionados à luta de classes e condições sociais, sendo que tais artigos atraem muitas vezes um público leitor de dezenas e até centenas de milhares. O crescimento das visitas ao WSWS tem sua principal origem nos leitores da classe trabalhadora, que acessam o World Socialist Web Site a partir de seus celulares.

O World Socialist Web Site é a publicação socialista online mais seguida no mundo. As publicações pablistas e de organizações pseudoesquerdistas e oportunistas relacionadas atraem uma fração infinitesimal do público do WSWS.

A publicação online socialistalternative.org está na posição 549.977 no ranking global. Nos Estados Unidos ocupa a posição 197.920. A revista online Against the Current, publicada pelo Solidarity-us.org, está na posição 658.222 no ranking global e na posição 196.278 no ranking dos EUA.

O World Socialist Web Site foi inaugurado em fevereiro de 1998. Ao longo dos últimos 22 anos, travou uma luta intransigente pela construção de um partido revolucionário mundial da classe trabalhadora baseado no programa marxista-trotskista do Comitê Internacional da Quarta Internacional (CIQI).

Essa luta pelos princípios marxistas tem sido denunciada e ridicularizada pelos representantes da pseudoesquerda pequeno-burguesa como "sectária". Essa é a alcunha utilizada por eles para desacreditar a luta do movimento trotskista pelo estabelecimento da independência política da classe trabalhadora em relação a todos os partidos e tendências da classe dominante e suas agências políticas.

Mas, aquilo que a pseudoesquerda denuncia como "sectarismo", está se encontrando com uma crescente radicalização política da classe trabalhadora e da juventude estudantil.

Esse processo se reflete no crescimento do número de membros do Partido Socialista pela Igualdade (EUA) e do ICFI, que possibilitou uma ampliação da cobertura dos eventos mundiais pelo WSWS e um aumento no número de artigos publicados no site.

O desenvolvimento do WSWS ao longo dos últimos 22 anos é uma conquista histórica. Mas, com o rápido crescimento da audiência internacional do World Socialist Web Site, surgem novos desafios técnicos, organizacionais e mesmo políticos. A publicação diária do WSWS depende do apoio de seus leitores.

Na crise atual, o World Socialist Web Site é uma arma indispensável para a defesa da classe trabalhadora e da luta mundial pelo socialismo. Por isso, pedimos aos nossos leitores que façam a maior doação possível em apoio ao WSWS.