Português

Palestra online em 26 de agosto: "Primeiro como tragédia, depois como farsa: Marcos, Duterte, e os partidos comunistas das Filipinas"

Stalinistas filipinos caluniam o pesquisador Joseph Scalice antes de sua palestra em 26 de agosto

Publicado originalmente em 21 de agosto de 2020

Em 26 de agosto, Joseph Scalice, um proeminente estudioso da história das Filipinas, dará uma palestra online intitulada "Primeiro como tragédia, depois como farsa: Marcos, Duterte, e os partidos comunistas das Filipinas". O evento será às 15 horas, horário de Cingapura (4h Brasília).

Scalice é pesquisador de pós-doutorado na Universidade Tecnológica de Nanyang, com doutorado em Estudos do Sudeste Asiático pela Universidade da Califórnia, Berkeley. Ele é colaborador do World Socialist Web Site e é especializado na história política e dos movimentos revolucionários nas Filipinas pós-colonial.

O evento, realizado pela Faculdade de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Tecnológica de Nanyang, é gratuito e está disponível ao público internacional. Ele abordará o motivo pelo qual o Partido Comunista das Filipinas (PCF), assim como vários grupos políticos associados à linha política do partido, apoiou o presidente filipino Rodrigo Duterte em sua eleição em 2016. Antes das eleições daquele ano, o PCF havia denunciado Duterte como "fascista", mas apoiou sua presidência após ser eleito.

A palestra abordará os paralelos históricos entre o entusiasmo do PCF com Duterte e o apoio do anterior Partido Comunista (PKP) à ditadura anticomunista de Ferdinand Marcos, que comandou o país de 1965 a 1986, e que impôs lei marcial em 1972. Apesar dos fundadores do atual PCF terem rompido com o PKP em 1967, a continuidade programática subjacente entre os partidos rivais se expressa no apoio do PCF a Duterte. Esta palestra abordará a lógica de classe que levou o PKP a apoiar a ditadura de Marcos e justificou o apoio do PCF a Duterte.

O evento foi atacado pelo partido stalinista. Em 18 de agosto, o fundador e líder ideológico do Partido Comunista das Filipinas, Jose Maria Sison, publicou comentários no Facebook ameaçando e caluniando Scalice.

Buscando conter o interesse público pela palestra, mas incapaz de responder às críticas históricas, Sison rotulou publicamente Scalice de "um anticomunista patologicamente raivoso e agente da guerra psicológica da CIA fazendo-se passar por pesquisador trotskista". Em várias outras publicações, ele repetiu acusações semelhantes.

O ataque ensandecido de Sison a um proeminente historiador é motivado por seu desejo de encobrir o papel de seu partido em facilitar a ascensão de Duterte ao poder. O PCF e as organizações "nacional-democráticas" ligadas a sua perspectiva política apoiaram Duterte como prefeito da cidade de Davao ao longo de décadas. Durante este período, no qual se candidataram através de sua plataforma partidária, Duterte construiu uma reputação internacional como chefe dos esquadrões da morte que exerceram um reinado de terror em sua cidade.

Quando Duterte tomou posse em 2016, as várias organizações "nacional-democráticas" apoiaram entusiasticamente sua presidência. Elas assumiram cargos de gabinete e o promoveram em seus comícios e discursos. Em seu jornal oficial, Ang Bayan, o PCF escreveu saudando a guerra às drogas do presidente e apelando às "forças revolucionárias" a cooperarem com ele. Essa guerra às drogas tornou-se uma campanha de assassinatos em massa que já ocasionou a morte de 30.000 pessoas nos últimos quatro anos pela polícia e forças paramilitares.

Em resposta a Sison, Scalice disse ao World Socialist Web Site:

"Não me deixarei intimidar pelo líder de um partido cuja política é tão falida que ele recorre imediatamente a ameaças. Nisto, Sison e o PCF estão seguindo a velha e surrada tradição da reação stalinista. A verdade é mais forte do que as ameaças e a calúnia.

"É revelador que Sison e seu partido me chamem de mentiroso por apontar a seu apoio público a Duterte enquanto adotam os mesmos métodos de intimidação de seu companheiro político. Eu tenho todo o direito de dar esta palestra e pretendo fazê-lo. Em resposta às ameaças contra mim, recebi uma efusão de apoio de meus colegas internacionalmente e uma explosão de interesse na palestra de 26 de agosto, à qual convido todos os leitores a participar."

Convocamos nossos leitores a se inscreverem e comparecerem à palestra, que será realizada via Zoom. As inscrições serão encerradas na segunda-feira à noite, horário de Cingapura, portanto, favor registrar-se o mais rápido possível.

Loading