A vida de Julian Assange está em perigo

19 Abril 2019

Publicado originalmente em 13 de Abril de 2019

Após a prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, em Londres, na quinta-feira, os governos dos EUA, do Reino Unido e do Equador estão engajados em uma conspiração para facilitar a rendição extraordinária do denunciante para os EUA. A vida e a liberdade de Julian Assange estão em iminente perigo. É necessário mobilizar todos os defensores da liberdade de expressão para evitar que Assange caia nas mãos do governo dos EUA.

Há mais de 40 anos, um analista da Rand Corporation, Daniel Ellsberg, forneceu ao Washington Post evidências sobre a atividade ilegal do governo dos EUA na Guerra do Vietnã. Ontem, Ellsberg declarou o seguinte:

É um ataque muito sério à Primeira Emenda [da Constituição dos EUA]. Uma clara tentativa de anular a liberdade de imprensa... Esta é a primeira acusação formal a um jornalista e redator ou editor, Julian Assange. E se for bem sucedida, não será a última. Essa acusação claramente faz uma parte da guerra do presidente Trump contra a imprensa, que ele chama de inimiga do Estado. E se ele conseguir colocar Julian Assange na prisão, onde eu acho que ele ficará para o resto de sua vida, provavelmente a primeira acusação contra ele será de apenas alguns anos. Mas provavelmente será apenas a primeira de muitas.

O pretexto oficial que está sendo utilizado para extraditar Assange é uma clara mentira. Em uma denúncia anteriormente secreta, tornada pública na quinta-feira, o Departamento de Justiça dos EUA acusou Assange de se envolver em uma conspiração para descobrir senhas em computadores do governo.

O fato de o crime ter apenas uma sentença de cinco anos e não se enquadrar na Lei de Espionagem fornece a todas as partes envolvidas uma cobertura para entregar Assange aos EUA. Em particular, o tratado de extradição entre EUA e Reino Unido exclui transferências por “delitos políticos”, inclusive espionagem. Citando o documento do Departamento de Justiça, o governo britânico alegará nos tribunais que a extradição de Assange não será impedida por essa exclusão.

O governo equatoriano, além disso, afirmou que pôde revogar o asilo de Assange porque a denúncia mostrou que ele não enfrentará a ameaça de pena de morte.

Na verdade, uma vez que Assange esteja nas mãos dos Estados Unidos, ele rapidamente enfrentará uma série de outras acusações, incluindo espionagem. Os esforços para minimizar a ameaça à liberdade de imprensa e subestimar a acusação contra Assange tem o objetivo de semear a complacência na população e desviar a atenção das principais questões da liberdade de expressão em jogo.

A linguagem da acusação em si deixa claro que o governo está atacando Assange por razões políticas, apesar do que consta na conclusão da acusação oficial. Segundo a acusação, “O objetivo principal da conspiração era facilitar a aquisição e a transmissão de informações confidenciais por [Chelsea] Manning relacionadas à defesa nacional dos Estados Unidos, para que o WikiLeaks pudesse divulgar publicamente as informações em seu site.”

A acusação observa que as informações divulgadas ao público pelo WikiLeaks incluíam “aproximadamente 90.000 relatórios de atividades relacionadas à guerra no Afeganistão, 400.000 relatórios de atividades importantes relacionados à guerra no Iraque, 800 relatórios de avaliação de detentos da Baía de Guantánamo e 250.000 telegramas do Departamento de Estado dos EUA. Muitos desses registros foram classificados de acordo com a ‘Ordem Nº 13526’”, assinada por Barack Obama em 2009. A acusação alega que essas liberações “poderiam causar danos sérios à segurança nacional”.

Essa linguagem espelha o texto da Lei de Espionagem, que proíbe a divulgação de informações “relativas à defesa nacional”. A Lei de Espionagem criminaliza qualquer pessoa que “comunique, entregue, transmita ou cause a comunicação, entrega ou transmissão” de tais informações.

Com base na linguagem da acusação, tanto Assange quanto Manning poderiam ser processados criminalmente a partir da Lei de Espionagem. Ao anunciar que Assange está sendo processado explicitamente com base na atividade de Manning, o governo está demonstrando que o futuro dela também está em risco. Na verdade, as duas primeiras palavras da acusação são “Chelsea Manning”.

Essa linguagem também confirma a divulgação “inadvertida” do ano passado pelos promotores de documentos argumentando que Assange deveria ser extraditado porque há “acusações” – no plural – contra ele. Os promotores reuniram um grande júri secreto para investigar Assange pelo menos desde 2011, e o governo dos EUA emitiu mandados para espionar funcionários do WikiLeaks por suposta “espionagem” em 2012.

Somente os cúmplices ou ingênuos poderiam acreditar que um grande júri secreto passaria mais de oito anos investigando Assange para denunciá-lo apenas por ter roubado uma senha do governo dos EUA.

A resposta das principais figuras políticas dos EUA, assim como suas declarações anteriores, deixa claro que a elite dominante está ansiosa para capturar Assange e prendê-lo pelo resto de sua vida – caso não imponha punições mais duras.

O líder da minoria democrata no Senado, Charles Schumer, tuitou: “Espero que ele seja logo responsabilizado por sua intromissão em nossas eleições em nome de Putin e do governo russo”. O senador democrata Mark Warner chamou Assange de “participante direto nos esforços russos para enfraquecer o Ocidente e minar a segurança dos EUA”. Ele continuou: “Espero que os tribunais britânicos o transfiram rapidamente para a custódia dos EUA, para que ele tenha finalmente a justiça que merece”.

Processar Assange por suposta “intromissão” nas eleições de 2016 envolveria acusações de espionagem.

Como um mestre dos calabouços para o qual foi entregue sua última vítima, o senador democrata Joe Manchin declarou: “Ele é nossa propriedade e podemos obter os fatos e a verdade dele.” Essa afirmação revela que Assange está sendo transferido para os EUA para ser interrogado – que se enquadraria na categoria de rendição extraordinária, não extradição.

Assange também enfrentou abertas ameaças de morte na imprensa e no governo nos últimos anos. O radialista e comentarista de direita, Rush Limbaugh, pediu que Assange recebesse “uma bala no cérebro”. O ex-apresentador da Fox News, Bill O’Reilly, disse a Assange: “Vamos enforcar você”. O ex-presidente republicano da Câmara, Newt Gingrich, disse: “Julian Assange está envolvido em terrorismo e deve ser tratado como um inimigo a ser combatido.” O vice-presidente democrata Joe Biden chamou Assange de “terrorista de alta tecnologia”. Bob Beckel, elaborador de campanhas democratas, disse: “esse cara é um traidor ” e os EUA deveriam “atirar ilegalmente nesse filho da p***.”

Outro objetivo da acusação é fornecer à mídia corrupta e mentirosa uma cobertura para aplaudir e justificar a prisão de Assange. O New York Times e o Washington Post desempenharam um papel particularmente criminoso ao minimizar a acusação, alegando que o uso de uma acusação menor significa que processar Assange não representa ameaça à liberdade de expressão.

Em uma declaração do conselho editorial de ontem, o New York Times escreveu: “O governo acusou Julian Assange, fundador do WikiLeaks, não de publicar informações confidenciais do governo, mas de roubá-las, contornando – por enquanto – questões críticas da Primeira Emenda”.

A única acusação contra Assange, escreveu o Times, significa que a prisão não representa “um desafio direto à distinção entre um jornalista que expõe abuso de poder por meio de materiais vazados – algo que jornais tradicionais como o Times fazem o tempo todo – e um agente estrangeiro procurando minar a segurança dos Estados Unidos através de roubo ou subterfúgio... A administração começou bem ao acusar o Sr. Assange de um crime indiscutível.”

O Washington Post intitulou seu editorial: “Julian Assange não é um herói da liberdade de imprensa. E sua prestação de contas está atrasada.”

Segundo o editorial, “O caso do Sr. Assange poderia ser concluído como uma vitória para o estado de direito, e não uma derrota para as liberdades civis como seus defensores erroneamente alertam.” O Post rotulou as preocupações sobre a segurança de Assange como “propaganda pró-WikiLeaks”. O fato de a denúncia não acusar Assange por violar a Lei de Espionagem prova que ele “não deve temer por sua vida, seja nas mãos de assassinos da CIA ou, via extradição, da pena de morte nos EUA”.

O Post explicou que “o Reino Unido não deveria temer que mandá-lo para julgamento por causa de seus hacks colocaria em risco a liberdade de imprensa”, pois Assange é “antiético” e não um “jornalista de verdade”, além dele ter “despejado material no domínio público sem esforçar-se independentemente para verificar sua veracidade ou dar aos indivíduos nomeados uma oportunidade de fazer comentários.”

Quem são o New York Times e o Washington Post para dar uma palestra sobre “verdadeiro jornalismo”? Essas declarações expõem o Times e o Post como nada mais do que órgãos de propaganda do governo.

O Times é sinônimo de vender a falsa alegação do governo Bush sobre as “armas de destruição em massa” no Iraque, e o Post é de propriedade de Jeff Bezos, o bilionário CEO da Amazon, que recentemente assinou um contrato de 600 milhões de dólares com o Pentágono.

A conspiração contra Assange marca o colapso de qualquer grupo no establishment político e na mídia corporativa que defenda os direitos democráticos. Se Ellsberg oferecesse hoje ao Post cópias de relatórios da Rand Corporation encomendados pelo Pentágono sobre a guerra, o Post ligaria para o FBI e o prenderia por ameaçar a “segurança nacional”.

O Times e o Post podem convencer seus leitores de que Assange ajudou a Rússia publicando evidências de que Hillary Clinton recebeu centenas de milhares de dólares secretamente dizendo a banqueiros e CEOs que ela representaria seus interesses se fosse eleita presidente. Enquanto isso, os democratas fizeram acordos com os líderes das forças armadas e agências de inteligência responsáveis pelos crimes que Assange revelou. O caráter de direita da oposição dos democratas a Trump é exposto pelo fato de apoiarem os ataques da administração Trump a Assange.

A defesa de Julian Assange, além de Chelsea Manning e Edward Snowden, é agora uma questão política central diante da classe trabalhadora. As atitudes em relação a esses denunciantes expressam, em grande parte, divisões de classe. Enquanto a classe dominante reprime a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa, o conflito de classes está se intensificando em todo o mundo.

O Partido Socialista pela Igualdade e o World Socialist Web Site fazem o mais amplo apelo a todos aqueles que são sérios na defesa dos direitos democráticos para se juntarem à luta para defender Assange, Manning e Snowden. Trabalhadores e jovens ao redor do mundo devem se mobilizar imediatamente para defender esses prisioneiros de guerra de classe. Suas vidas dependem disso.

A luta pela liberdade de Assange é a ponta de lança da luta política em defesa dos direitos democráticos, contra o militarismo imperialista e o capitalismo. A defesa desses denunciantes pode apenas ser realizada se o poder da classe trabalhadora for mobilizado.

Como disse o membro do Comitê Nacional do Partido Socialista pela Igualdade (Austrália), Nick Beams, na manifestação de emergência de sexta-feira em Sydney, “o ataque à democracia é um sintoma de uma doença profunda. Não há defesa da democracia sem abordar o problema em sua origem, ou seja, o sistema de lucro do capitalismo global, um sistema em crise, que desempenhou seu papel histórico e agora rasga, atropela e corrompe até mesmo os direitos democráticos que uma vez defendeu. Temos que começar, como parte dessa batalha, a luta por uma perspectiva socialista. Só então o mundo poderá se livrar de todos os horrores que o capitalismo está evocando.”

Eric London