Trabalhadores paralisam produção nas fábricas automotivas de Michigan e Ohio desafiando sindicato e administração

Por Tom Hall
19 Março 2020

Publicado originalmente em 18 de março de 2020

Pelo fechamento das fábricas de todos os produtos não essenciais para deter a propagação do coronavírus! Distribuir a declaração “Como lutar contra a pandemia de COVID-19: Um programa de ação para a classe trabalhadora” e formar comitês de base nos locais de trabalho. Para qualquer ajuda e para divulgar informações sobre as ações dos trabalhadores nas fábricas, entre em contato imediatamente pelo e-mail autoworkers@wsws.org ou no Facebook.

Atualização (13h25 UTC-4): O jornal Detroit Free Press está noticiando que a General Motors, Ford e Fiat Chrysler irão fechar todas as fábricas nos EUA. Mais informações serão publicadas assim que disponíveis.

Trabalhadores das fábricas da Fiat Chrysler de Sterling Heights (SHAP) e Jefferson North (JNAP), na região metropolitana de Detroit, tomaram a iniciativa de forçar a paralisação da produção ontem à noite e na manhã de hoje para deter a propagação do novo coronavírus.

As paralisações começaram na fábrica de Sterling Heights na noite passada, apenas algumas horas depois de o Sindicato dos Trabalhadores Automotivos (UAW, na sigla em inglês) e as montadoras de Detroit terem chegado a um acordo sujo para manter as fábricas abertas e operando durante a pandemia global. Depois de o UAW ter conseguido impedir temporariamente uma paralisação nas fábricas de caminhões de Warren na segunda-feira e de sistemas de transmissão de Tipton na terça-feira, o sindicato perdeu completamente o controle da situação e administração mandou os trabalhadores no turno da noite para casa às 22h30 no horário local.

Hoje de manhã, os trabalhadores do primeiro turno da SHAP seguiram o exemplo, organizaram uma manifestação e se recusaram a manusear os veículos que passavam pela linha de montagem assim que o turno começou. Como centenas de pessoas manuseiam os veículos que passam rapidamente pela linha de montagem, elas se tornam uma fonte potencial de transmissão do vírus. A administração voltou a mandar os trabalhadores para casa e cancelou o segundo turno hoje. “Isso é inspirador”, disse um jovem trabalhador da SHAP ao Boletim dos Trabalhadores Automotivos do WSWS, referindo-se à ação dos trabalhadores para forçar o fechamento da fábrica.

Os trabalhadores também realizaram paralisações na JNAP esta manhã por volta das 10h30, recusando-se a trabalhar por mais de uma hora. Eles disseram ao Boletim dos Trabalhadores Automotivos do WSWS que a administração ameaçou demiti-los, sem oposição dos representantes locais do UAW, e alguns retornaram aos seus locais de trabalho, mas se recusando a manusear veículos na linha de montagem. “O sindicato nos vendeu. Não precisamos de turnos rotativos – precisamos fechar as fábricas. Eles nem se preocupam conosco e com nossas famílias – o UAW mostrou isso ontem à noite.” A administração finalmente cedeu às 13h00 e mandou o turno para casa.

Linha de montagem vazia na fábrica da FCA de Jefferson North após paralisação dos trabalhadores

Os trabalhadores da fábrica de motores de Dundee em Ann Arbor e da linha de montagem de Toledo North realizaram suas próprias paralisações logo depois. Os turnos da fábrica de caminhões de Warren e da linha de montagem da Ford de Michigan também foram mandados para casa.

Um vídeo do Facebook Live de Toledo mostrou dezenas de trabalhadores furiosos reunidos em torno do vice-presidente da Área 12 do UAW, Brian Sims, exigindo que a fábrica fosse fechada, que então recua em direção à porta dos fundos gritando para os trabalhadores se “acalmarem”.

Sentido os efeitos da ação independente realizada pelos trabalhadores, a Fiat Chrysler está totalmente envolvida no controle de danos. Os representantes da empresa negaram categoricamente que houve uma paralisação na SHAP, mesmo que ação tenha sido filmada pela mídia local, e alegaram que os trabalhadores foram mandados para casa por “precaução”. Ao cancelar alguns turnos, a administração espera claramente ganhar tempo para o UAW restaurar a ordem. Mas todos os sinais indicam que a situação já saiu rapidamente do controle.

Trabalhadores confrontam o vice-presidente da Área 12 do UAW, Brian Sims, na fábrica de Toledo North

Ontem, o UAW trabalhou com a administração para intimidar com sucesso centenas de trabalhadores da fábrica da FCA de sistemas de transmissão de Tipton, perto de Kokomo, no estado de Indiana, a se apresentarem para o trabalho, ameaçando-os com a rescisão imediata de contrato por abandono de emprego. Na segunda-feira, o sindicato também conseguiu impedir que uma paralisação temporária no setor de pintura da fábrica de caminhões de Warren se transformasse em uma paralisação em toda a fábrica. Mas a manobra decadente alcançada na noite passada pela “força-tarefa” conjunta entre o sindicato e a empresa, que potencialmente expõe 150.000 trabalhadores da indústria automotiva à infecção pelo coronavírus, deixou claro que o UAW fará de tudo para impor os ditames da administração, mesmo à custa de centenas, ou até milhares, de vidas.

Esta é uma história em desenvolvimento e o World Socialist Web Site continuará a fornecer atualizações durante o dia. Mas está claro que essas ações serão as primeiras de muitas nos Estados Unidos. Uma onda de greves selvagens já varreu grande parte das fábricas automotivas na Europa, com greves ocorrendo na Espanha e na Itália desafiando as tentativas do sindicato e da administração de manter os trabalhadores no serviço durante os isolamentos nacionais. Os trabalhadores canadenses também interromperam temporariamente a produção na fábrica de Windsor na semana passada.

Essa onda selvagem deve ser a ponta da lança para que um movimento de toda a classe trabalhadora interrompa todas as fábricas de produtos não essenciais. Para organizar isso, os trabalhadores devem formar comitês de base, completamente independentes e em oposição aos sindicatos.

Uma resposta racional à pandemia do coronavírus é bloqueada pelo lucro capitalista. Os trabalhadores devem exigir uma resposta maciça e coordenada globalmente contra a pandemia, transferindo trilhões de dólares em riqueza acumulados pelas grandes corporações para ficar à disposição da sociedade. Chamamos os trabalhadores a ler e discutir o programa de ação do Partido Socialista pela Igualdade para combater a pandemia de COVID-19.

Para organizar esses comitês em seu local de trabalho e entrar em contato com outros trabalhadores, envie um e-mail para autoworkers@wsws.org.