Português

Segurança e a Quarta Internacional

Sylvia Ageloff e o assassinato de Leon Trotsky

Parte um | Part dois | Parte três | Parte quatro

Publicado originalmente em 7 de fevereiro de 2021

Esta é a parte três. A parte um foi publicada em 22 de fevereiro. A parte dois foi publicada em 1º de março.

Em 20 de agosto de 1940, Leon Trotsky foi assassinado pelo agente stalinista, Ramón Mercader, no subúrbio de Coyoacán, na Cidade do México. O acesso de Mercader ao grande revolucionário foi possibilitado pelo seu relacionamento com Sylvia Ageloff, membro do Socialist Workers Party (Partido Socialista dos Trabalhadores, SWP). Após o assassinato, Ageloff se apresentou como uma vítima inocente da enganação de Mercader, uma declaração que nunca foi contestada pelo SWP.

Esta série de artigos constitui a primeira investigação sistemática do movimento trotskista sobre o papel de Ageloff e continua o trabalho da investigação Segurança e a Quarta Internacional do Comitê Internacional da Quarta Internacional. Ela será publicada em quatro partes.

13-30 de junho de 1940: Jacson-Mornard em Nova York para encontros com a GPU

Depois de ter ajudado Jacson-Mornard a entrar nos EUA, Ageloff ficou com ele no hotel Brooklyn, onde os seus adestradores da GPU ajudaram a construir o álibi que ele utilizaria caso fosse preso.

Ageloff e Jacson-Mornard permaneceram juntos no Hotel Pierrepont de 14 a 30 de junho. Leonid Eitingon também viajou para Nova York. Enquanto esteve na cidade, Jacson-Mornard teve encontros com sua mãe, Caridad del Rio, bem como com Gaik Ovakimian da GPU. [94] Além disso, Ageloff e Jacson-Mornard se reuniram com os Rosmers, que haviam chegado recentemente de Vera Cruz.

Luri escreveu:

Em 14 de junho, Frank Jacson (Ramón Mercader) e a sua esposa (Sylvia Ageloff) registraram-se no Hotel Pierrepont no Brooklyn, como "F. Jacson e esposa". Eles ocuparam o quarto 737 por quinze dólares por semana e permaneceram até o dia 30. Durante esse período, tiveram a oportunidade de se encontrar com os Rosmers, que estavam passando alguns dias em Nova York. [95]

Rua Pierrepont, 55, Brooklyn (antigamente o Hotel Pierrepont)

Em um capítulo de Murder in Mexico (Assassinato no México), escrito por Julián Gorkin, o antigo líder do POUM explicou que um objetivo central da viagem a Nova York era confeccionar o álibi do assassino, que foi apresentado na carta de "confissão" entregue por Jacson-Mornard às autoridades após sua prisão.

Nessa carta, a GPU detalhou o suposto motivo para Jacson-Mornard matar Trotsky. Ele seria um trotskista que ficou furioso com Trotsky quando este ordenou que ele abandonasse sua esposa, Sylvia, viajasse a Xangai e liderasse uma equipe de trotskistas que entraria na URSS, sabotaria a indústria soviética e mataria importantes funcionários do governo. Após a sua prisão, o investigador da polícia, Sanchez Salazar, considerou muito suspeito que Jacson-Mornard era incapaz de repetir o conteúdo da carta, e que fez a afirmação implausível de tê-la escrito no Bosque de Chapultepec, na Cidade do México. [96]

Gorkin explicou a importância da carta de "confissão" para a GPU, incluindo como e onde foi produzida:

Sim, tudo é mentira e enganação no que diz respeito a esse humano-robô. Sobretudo a carta que foi encontrada com ele. Não há dúvida de que foi escrita, examinada, discutida e reescrita em Nova York. Para encobrir esse fato, o assassino teve que inventar uma máquina de escrever fantasiosa. A assinatura e a data escritas a lápis no último minuto, e o fato de que em sua declaração [Jacson-Mornard] não se lembrava muito bem do seu conteúdo são prova disso. Os agentes da GPU em Nova York haviam escrito a carta com muito cuidado, como se fosse um documento político de alto nível, do qual dependia o futuro da Rússia, um documento mais delicado para eles do que todas as teorias da Comintern. Havia uma grande preocupação na mente dos seus criadores: dar satisfação aos líderes e, acima de tudo, ao líder supremo.

Apesar de Jacson-Mornard carregar a carta consigo, bem escondida, como uma bomba pronta para explodir, uma cópia certamente fora enviada para Moscou. Na mala diplomática, naturalmente. Em conformidade com os hábitos da GPU, essa carta tinha o objetivo de matar dois coelhos com uma só cajadada: por um lado, apresentar Trotsky como o inimigo declarado do povo russo e como o organizador do assassinato de Stalin e, por outro, destruir o trotskismo, tanto moral como politicamente. Ele ficaria sem um líder. Um de seus membros teria se "desiludido" com Trotsky e o assassinado. Em quase todos os documentos da GPU, encontramos o mesmo tipo de falsidade e perfídia: não basta matar; deve-se desonrar a vítima e jogar a culpa em outro. Porém, é também com esse desajeitado maquiavelismo que a GPU deixa sua marca, o seu selo particular. Essa carta é de uma monumental estupidez: em primeiro lugar, pelo simples fato de ter sido escrita, mas ainda mais pelo seu conteúdo. É como se o cartão de visita da GPU tivesse sido colocado no bolso do assassino. [97]

A importância de construir essa falsa narrativa explica por que a visita de Jacson-Mornard a Nova York durou duas semanas inteiras. Claramente, foi necessário extremo sigilo para discutir, escrever e reescrever essa falsa confissão. Durante esse período crítico, Jacson-Mornard vivia com Ageloff no quarto 737 do Hotel Pierrepont.

Gorkin explicou que a carta possuía outro propósito: evitar que o próprio Jacson-Mornard revelasse algo sobre como o assassinato foi planejado:

Não há dúvida de que ela foi preparada na esperança de que o último [ou seja, Jacson-Mornard], por sua vez, seria morto. Assim, a GPU se vangloriava de poder matar três coelhos com uma cajadada: o seu agente também seria morto, e esse seria o seu "testamento". O fato de Trotsky, mortalmente ferido, ter impedido seus secretários de matarem o seu assassino foi uma ação muito inteligente da sua parte; ele manteve o seu raciocínio político até o fim. Assim, todas as mentiras, todas as traições puderam ser reveladas, ou quase todas elas. [98]

30 de junho de 1940: Ageloff ajuda Jacson-Mornard a retornar ao México

No final da estadia de Ageloff e Jacson-Mornard em Nova York, a GPU providenciou o reingresso clandestino de Jacson-Mornard no México. Em seu quarto de hotel e na presença da Ageloff, Jacson-Mornard ligou para a Eastern Airlines e arranjou sua viagem de retorno. [99]

Jacson-Mornard não viajou até a Cidade do México de avião, apesar de não existirem obstáculos financeiros. Ao invés disso, ele comprou passagens aéreas para Nova Orleans e, depois, para San Antonio. De San Antonio, ele partiria para a fronteira entre EUA e México em Laredo, onde cruzaria a pé. [100] Ele deveria embarcar em um trem para a Cidade do México do lado mexicano da fronteira.

Quando Jacson-Mornard chegou em San Antonio, ele ligou para Ageloff e informou estar prestes a entrar no México. [101] Os registros do FBI confirmam que ele deixou Nova York "via Eastern Air Lines em 30 de junho de 1940 para Laredo, Texas. Em Laredo, ele alega ter atravessado a Ponte Internacional e embarcado na Ferrovia Nacional Mexicana para a Cidade do México". [102]

4 de setembro de 1940, relatório para J. Edgar Hoover

Um relatório separado do FBI observou:

Ao atravessar a Ponte Internacional em Laredo, e utilizar seu visto de turista original para viajar à Cidade do México de trem [ou seja, o visto de turista que adquiriu em sua primeira entrada no México], ele foi capaz de retornar à Cidade do México sem qualquer registro da sua reentrada, dado que os guardas do trem não fazem nenhum registro de turistas que apresentam seus vistos de turista para viajar. [103]

Esse plano complexo permitiu a Jacson-Mornard entrar no México sem ser detectado ou inspecionado pela alfândega. Como resultado, não haveria registro oficial do serviço de imigração de sua permanência no México quando ocorresse o assassinato.

Julho de 1940: Jacson-Mornard apresenta um comportamento cada vez mais errático

De acordo com Volkogonov, as implicações da nova missão de Jacson-Mornard "provocaram um arrepio na espinha de Ramón" e ele sofreu "uma breve depressão em junho". [104] Após sua viagem a Nova York, Jacson-Mornard tomou consciência de que o sucesso da sua missão era uma questão de vida ou morte para todos os envolvidos, incluindo ele próprio, sua mãe, Caridad del Rio, e Eitingon. Volkogonov escreveu:

Uma tentativa de ataque ocorrera em maio, mas um milagre salvou o líder do Partido Mundial da Revolução Social. Eitingon sabia que outros erros como esse não poderiam ocorrer. Estava em jogo não apenas a vida do homem que tinha se entrincheirado em sua villa mexicana, mas a vida do próprio Eitingon e as de sua família. Ele precisava encontrar uma maneira de infiltrar seu homem na casa de Trotsky. … [105]

Os documentos agora disponíveis no Arquivo Geral da Nação do México deixam claro que a nova missão de Jacson-Mornard pusera-lhe em estado de crise.

A data precisa da chegada de Jacson-Mornard na Cidade do México não é conhecida. Ele não fez check-in em seu novo hotel na capital até 5 de julho. Puigventós escreveu: "De acordo com o que Jac diria mais tarde, ele adoeceu em uma cidade próxima a Puebla, onde parou para descansar". [106]

Puigventós explicou:

Segundo informações adquiridas pela polícia da Cidade do México, após retornar ao México, Ramón Mercader não se estabeleceu no hotel onde ficara antes com Sylvia, o Hamburgo, nem nos apartamentos do Shirley Courts, onde havia tido vários encontros ou conversas com Eitingon e sua mãe. Ele ficou em outro hotel, o Maria Cristina, no qual inicialmente deixou sua bagagem e se estabeleceu definitivamente de 5 a 14 de julho, no 16, e de 18 de julho a 9 [de agosto]. [107]

A investigação realizada pela polícia mexicana após o assassinato confirma que Jacson-Mornard estava agindo de maneira errática. Ele não retornou ao seu hotel nas noites de 15 e 17 de julho, e os funcionários do hotel Maria Cristina explicaram que Jacson-Mornard isolou-se de qualquer comunicação exterior. Um relatório policial diz: "Ele não estava recebendo a correspondência endereçada a ele, nem telefonemas, nem visitas. A única peculiaridade era que ele dormia durante o dia e saía de noite. Ele tinha o costume de retornar todos os dias entre 4 e 5 da manhã. [108]

As cartas de Ageloff no período refletem o seu nervosismo quanto às ações de Jacson-Mornard durante julho e no início de agosto. A GPU não tinha notícias de seu agente ou da carta de confissão que ele levara consigo Puigventós escreveu: "Durante as três semanas seguintes [depois que ele deixou Nova York], Sylvia não recebeu nenhuma notícia dele e ficou preocupada". [109]

Julho ao início de agosto de 1940: suspeitas na casa de Trotsky

Após retornar de Nova York, o estranho comportamento de Jacson-Mornard levantou preocupações entre os membros do complexo residencial de Trotsky. Deutscher escreveu que, ao descobrir sua missão:

Mesmo esse mestre do disfarce (que durante os vinte anos de seu encarceramento enganaria todos os investigadores, juízes, médicos e psicanalistas que tentaram descobrir sua verdadeira identidade e suas conexões) começou a perder a compostura conforme o seu prazo se esgotava. Ele retornou perturbado de Nova York, onde recebeu provavelmente o último informe sobre sua missão. Normalmente vigoroso e alegre, ele se tornara nervoso e sombrio; sua figura estava pálida; tinha espasmos no rosto; suas mãos tremiam. Ele passava a maior parte de seus dias na cama, em silêncio, fechado em si mesmo sem trocar palavras com Sylvia. E, de repente, tinha ataques de empolgação e tagarelice que alarmaram os secretários de Trotsky.

Ele se gabava de suas façanhas alpinistas e da força física que lhe permitia "partir um enorme bloco de gelo com um único golpe de picareta". Em uma refeição, ele demonstrou a "habilidade cirúrgica" de suas mãos destrinchando um frango com rara destreza. (Meses depois, aqueles que testemunharam essa "demonstração" lembraram que ele também dissera ter conhecido bem Klement, cujo cadáver fora encontrado desmembrado com semelhante "habilidade cirúrgica"). [110]

As datas e circunstâncias exatas das visitas de Jacson-Mornard aos secretários de Trotsky em julho de 1940 são desconhecidas. Além desse comportamento provocativo, os guardas do complexo de Trotsky não entenderam porque ele não voltou para buscar o carro que havia deixado antes de sua viagem para Nova York. Puigventós escreveu:

Na casa da Avenida Viena, eles também perceberam rapidamente [seu comportamento estranho]. Em primeiro lugar, eles se perguntaram sobre sua longa ausência. Tudo indicava que, após retornar ao México, ele postergou durante dias antes de recuperar o carro que havia lhes emprestado. Teria ele de fato ficado doente?Estaria seu nervosismo lhe pregando peças? Teria ele começado preparativos para um ataque? [111]

Puigventós então cita uma declaração de Natalia Sedova para a polícia:

Ele retornou, no entanto, apenas um mês depois, aproximadamente. Ele parecia muito magro e doente. Perguntamos a ele por que demorou tanto e ele nos disse que havia retornado de sua viagem anterior, mas que precisou viajar pelo interior do país. Ele acrescentou que havia sofrido uma crise hepática. A sua visita foi muito breve, ele pegou seu carro e partiu. [112]

Há indícios claros de que a GPU estava começando a duvidar da confiabilidade de Jacson-Mornard. Mais de um mês havia passado desde o seu retorno ao México, mas Jacson-Mornard não tomara qualquer medida para cumprir sua missão. Trotsky continuava vivo, trabalhando arduamente para expor o papel da GPU no atentado de 24 de maio contra si. Moscou estava impaciente.

Em 7 ou 8 de agosto, Jacson-Mornard recebeu um telegrama em inglês, que Puigventos acredita ter sido enviado por Eitingon.

O telegrama continha o tipo de mensagem que nenhum agente da GPU desejava receber: “FAVOR RETORNAR A NOVA YORK IMEDIATAMENTE”. [113]

8-9 de Agosto de 1940: Ageloff viaja para a Cidade do México

Não se sabe se Jacson-Mornard respondeu a esse telegrama ou como o respondeu, mas Ageloff partiu imediatamente para a Cidade do México. Puigventós escreveu: "Supostamente, ele [Jacson-Mornard] então pediu a Sylvia para viajar à Cidade do México para encontrá-lo e cuidar dele". [114]

A decisão súbita de Ageloff de ir de avião para a Cidade do México ressalta a urgência de sua viagem. Em 1940, o serviço de voo de Nova York para a Cidade do México era muito caro e a viagem durava mais de 16 horas. Porém, Ageloff não poupou despesas para chegar o mais rápido possível à Cidade do México, embora seja difícil conciliar o custo da viagem com o seu salário, de uma funcionária pública durante a Grande Depressão. Ela conseguiu uma licença do trabalho e saiu em uma quinta-feira, sem sequer esperar o fim da semana. Até então, ela já havia permanecido três meses sem trabalhar durante o ano.

É impossível crer que seu retorno urgente à Cidade do México, com grande custo, teve apenas como propósito reconfortar um homem adulto afligido por mal do estômago ou enjoo pela altitude, como ela afirmaria mais tarde.

Foi apenas em fevereiro de 1940 – seis meses antes da viagem de Ageloff – que uma rota de vôo relativamente rápida foi estabelecida entre as duas cidades. Em fevereiro, duas das maiores companhias aéreas – Eastern e PanAmerican – iniciaram um empreendimento conjunto para estabelecer um serviço de voo noturno entre as duas cidades. Em 1940, voos domésticos de ida e volta atravessando os Estados Unidos custavam o equivalente a US$4.500 hoje. [115] Viagens internacionais por uma nova rota poderiam ser ainda mais custosas.

A inauguração do novo serviço utilizado por Ageloff, chamado de "Mexican Flyer", teve grande destaque, atraindo atenção da mídia nacional. [116] Em 26 de fevereiro de 1940, o Washington Evening Star anunciou: "Cerimônias de inauguração do serviço de voo noturno entre Washington e a Cidade do México por meio de Brownsville, Tex., serão realizadas no aeroporto de Washington na quarta-feira às 21h. Espera-se a presença de membros do corpo diplomático e autoridades do Departamento de Estado". [117] O embaixador mexicano nos EUA também compareceu e sua filha "batizou o primeiro avião".

O itinerário de 1940 do “Mexican Flyer”

Documentos do FBI mostram que Ageloff viajou utilizando o serviço "Mexican Flyer" da Eastern-Pan Am. Ela partiu de Nova York em 8 de agosto às 19h15 em um avião DC-3 da Eastern Airlines, fazendo escalas em Washington D.C., Atlanta, Nova Orleans, Houston, Corpus Christi e Brownsville, Texas. Ela chegou em Brownsville na manhã seguinte, às 8:10, e foi transferida para um voo da PanAmerican, saindo de Brownsville às 9:10, parando em Tampico, México, antes de chegar a Cidade do México às 12:35. [118] Uma lista de passageiros mostra que havia apenas outros 10 passageiros no voo de Ageloff para a Cidade do México, indicando o caráter exclusivo dessa nova linha noturna. [119]

Em comparação com as viagens caras de Ageloff, que ela declarou terem motivação “pessoal”, os líderes do SWP, ao visitarem Trotsky por razões políticas, geralmente viajavam de carro para a Cidade do México saindo de Minneapolis ou Nova York – uma distância de mais de 3.500 quilômetros. Durante o julgamento da liderança do SWP, acusada de sedição, em Minneapolis, em 1941, os promotores do governo apresentaram provas de uma oficina mecânica no Texas, que mostravam que o antigo veículo da delegação do SWP havia quebrado numa viagem, deixando os líderes do SWP imobilizados. [120]

Pouco depois de saber que Ageloff planejava vir ao México, Jacson-Mornard retornou à casa de Trotsky. Ele contou a Sedova que Sylvia estava voltando e queria visitar os Trotskys. Jacson-Mornard tentou marcar um horário para que o casal se encontrasse com eles. Sedova explicou em um depoimento à polícia após o assassinato:

Dois dias depois [ou seja, depois de ter buscado o seu carro], ele voltou para nos dizer (no pátio) que Sylvia estava de férias e que viria de avião passar as férias no México, a fim de aproveitar o bom tempo. Nesse dia, ele também trouxe uma bela caixa de doces, dizendo que Sylvia os havia enviado e que ele lamentava por tê-la esquecido na sua primeira visita. Ele trouxe um livro chamado Hitler e Stalin para meu marido, cujo autor não me lembro agora. Ele também nos disse que Sylvia precisava vir no dia seguinte e perguntou se poderíamos recebê-la no sábado. Uma visita nesse dia era impossível, e propusemos uma visita para segunda ou terça-feira. [121]

Com a chegada de Ageloff, Jacson-Mornard saiu do hotel Maria Cristina. O casal fez o check-in em um novo hotel, o Hotel Montejo, aproximadamente às 13h30 [122]. Segundo registros policiais do final de agosto de 1940, "Durante sua estadia, Jacson não recebeu visitas ou cartas". [123]

Hotel Montejo na Cidade do México (crédito: David North)

Em 10 de agosto, um dia após a sua chegada à Cidade do México, Ageloff visitou o complexo de Trotsky. Mais tarde, quando a polícia mexicana questionou o propósito dessa visita, ela disse: "Só para cumprimentá-los e avisá-los que ela estava na cidade". [124] Após a chegada de Ageloff na Cidade do México, Sedova explicou mais tarde, Jacson-Mornard "começou a nos visitar cada vez mais frequentemente". [125]

Do início a meados de agosto de 1940: Ageloff afirma falsamente a Sedova ser esposa ou noiva de Jacson-Mornard

Durante uma dessas primeiras visitas, Ageloff disse a Sedova que os dois estavam noivos. Luri escreveu que, ao chegar a Cidade do México:

Sylvia encontrou Ramón em péssimo estado. Ela escreveu para sua irmã Hilda: "Jac tem diarreia ou algo ainda pior". Ele parecia exausto, havia perdido peso e parecia muito irritado. Entretanto, a vida romântica deles parecia ir bem. Ageloff contou a Natalia Sedova que Jac a havia pedido em casamento. Natalia aproveitou a ocasião para oferecer conselhos sobre a vida de casada. [126]

Segundo declarações posteriores de Sedova, Ageloff disse a Sedova que ela e Jacson-Mornard já haviam se casado e não que estavam noivos. Sedova escreveu que Jacson-Mornard "foi recebido por nós a princípio e sobretudo como o marido de Sylvia Ageloff, que, aos nossos olhos, era completamente digno de confiança (ênfase no original)". [127]

O casamento de Ageloff foi um fator fundamental para Sedova concordar com um encontro com Jacson-Mornard em agosto. Mas a declaração de Ageloff era uma mentira. Em seu depoimento à polícia após o assassinato, Ageloff disse que ela e Jacson-Mornard não eram casados. A transcrição do interrogatório a identifica como "solteira". Marie Craipeau disse que, em fevereiro de 1939, antes de retornar de Paris para Nova York, Ageloff disse-lhe que era noiva. [128] Isso foi mais de um ano antes de ela contar a Sedova essa "nova" informação.

Com essa falsa afirmação a Sedova em agosto, Ageloff fortaleceu a imagem de Jacson-Mornard precisamente no momento em que as suspeitas em torno dele cresciam.

Ageloff traz seu “marido” para dentro do complexo

Uma semana antes do ataque de 20 de agosto, Ageloff trouxe Jacson-Mornard para dentro do complexo de Trotsky para o que viria a ser a única discussão política entre Trotsky e o assassino. Sedova escreveu que ela e Trotsky estavam apreensivos em relação às visitas cada vez mais frequentes de Sylvia e de seu "marido" no período imediatamente anterior à morte de Trotsky:

LD [Lev Davidovich –Trotsky] não estava de modo algum inclinado a sacrificar seu período de descanso por "Jacson". Era sabido que uma discussão séria com LD deveria ter seu dia e hora combinados com antecedência. "Jacson" nunca fez isso. Ele sempre chegava sem aviso prévio, sempre na mesma hora. A única discussão política ocorreu – para sua informação – uma semana antes do crime. Ele havia marcado comigo uma visita de sua esposa, Sylvia Ageloff. Eu marquei o mesmo horário, ou seja, 17 horas, como o mais conveniente. Porém, Sylvia não veio sozinha, mas com seu marido; nós os encontramos no pátio, e eu os convidei para um chá na sala de jantar.

Essa foi a primeira e a última ocasião em que uma conversação política ocorreu. Sylvia Ageloff defendeu a posição da Minoria de forma acalorada e entusiasmada. LD respondeu a ela de forma calma e amigável. O seu marido introduziu alguns comentários jocosos e não muito astutos. Tudo isso não levou mais do que 15 minutos. LD se desculpou; ele precisava cumprir suas tarefas, alimentar os animais. Todos nós nos levantamos. Os "Jacsons" se despediram e se apressaram, declarando, como de costume, que tinham algum assunto urgente. Nós não os detivemos, nem mesmo por educação. Sabíamos que essas "visitas" estavam prestes a acabar, já que "Jacson" estava deixando o México. ... Se não hoje, então amanhã, e mentalmente dissemos a nós mesmos: "Deixe-o ir, quanto mais cedo, melhor (nossa ênfase)". [129]

Essa discussão, na qual Ageloff defendeu "acalorada e entusiasmadamente" as posições da minoria shachtmanista, deu a Jacson-Mornard a oportunidade de se apresentar como um marxista "ortodoxo".

17 de agosto de 1940: “ensaio” de Jacson-Mornard ou uma tentativa fracassada?

Alguns dias depois, em 17 de agosto, Jacson-Mornard apareceu na casa de Trotsky sem aviso prévio, dizendo que queria que Trotsky revisasse um artigo que ele escrevera sobre a luta fracional com a minoria pequeno-burguesa shachtmanista dentro do SWP. Esse artigo, explicou Jacson-Mornard, foi o produto da discussão recente com Ageloff, Sedova e Trotsky. A breve discussão do dia 17 foi a primeira vez que Jacson-Mornard e Trotsky se encontraram sozinhos.

Sempre se assumiu que o dia 17 de agosto fora um "ensaio" para o futuro ataque. Porém, não poderia o objetivo dessa visita ter sido a própria execução do ataque? Não seria possível que Jacson-Mornard tenha ficado nervoso no dia 17 de agosto, quando chegou sem aviso e sem Sylvia? Nesse dia ensolarado, Jacson-Mornard trouxe a capa de chuva que ele levaria três dias depois para esconder sua pistola e adaga, bem como a picareta que ele utilizaria para realizar o ataque. Por que trazer a capa de chuva e arriscar ser detectado para apenas um ensaio?

Jacson-Mornard foi capaz de se encontrar sozinho com Trotsky. Uma nova oportunidade dificilmente surgiria, especialmente considerando as suspeitas que já existiam sobre o seu verdadeiro papel. Deutscher explicou que, mesmo antes da reunião de 17 de agosto, Trotsky já estava desconfiado das atividades de Jacson-Mornard:

Ele [Jacson-Mornard] falou da "genialidade financeira" de seu chefe comerciante e se ofereceu para realizar algumas operações na bolsa de valores com ele a fim de ajudar a Quarta Internacional. Um dia, observando com Trotsky e Hansen os "trabalhos de fortificação" no [complexo de Trotsky na] Avenida Viena, ele apontou que eram inúteis porque, "no próximo ataque, a GPU utilizaria um método bem diferente"; questionado sobre qual método poderia ser, ele respondeu encolhendo os ombros.

Os membros da casa se lembrariam desses e de outros incidentes similares apenas três, quatro meses mais tarde, quando se deram conta do quão sinistros haviam sido. Na época, eles não viram neles nada além de sintomas do "temperamento errático de Jacson". Apenas Trotsky, que o conhecia tão pouco, ficou apreensivo. ... A conversa de "Jacson" sobre seu patrão, o "gênio financeiro", e as especulações na bolsa de valores que ele faria para o "movimento" deixaram Trotsky inquieto. [130]

Deutscher cita o livro de Natalia Sedova, The Life and Death of Leon Trotsky (A vida e a morte de Leon Trotsky):

"Essas conversas breves", disse Natalia, "me desagradavam; Leon Davidovich também ficou incomodado. ‘Quem é esse patrão muito rico [de Mercader]?’, disse-me ele. ‘É preciso descobrir. Afinal de contas, pode ser algum comprador do tipo fascista – talvez seja melhor não recebermos mais o marido de Sylvia". [131]

A reunião de 17 de agosto aumentou as suspeitas de Trotsky e o levou a declarar categoricamente que nunca mais queria ver "o marido de Sylvia". Deutscher escreveu:

Relutante, mas com o devido respeito, Trotsky convidou "Jacson" para ir com ele à sala de estudos. Eles permaneceram sozinhos e discutiram o artigo. Após apenas dez minutos, Trotsky saiu perturbado e preocupado. Sua desconfiança aumentara subitamente; ele disse a Natalia que não desejava ver "Jacson" de novo. O que o perturbou não foi o que ele escrevera – alguns clichês desajeitados e confusos – mas o seu comportamento. Enquanto eles estavam na escrivaninha e Trotsky lia o artigo, "Jacson" sentou-se em cima mesa e lá, posicionado acima da cabeça de seu anfitrião, permaneceu até o final do encontro! O tempo todo ele não tirou o chapéu e se manteve com o casaco! Trotsky não apenas ficou irritado com a falta de cortesia do visitante; ele percebeu novamente uma fraude.

Ele tinha a sensação de que o homem era um impostor. Ele disse a Natalia que, em termos de comportamento, "Jacson" era "bem diferente de um francês" – no entanto, ele se apresentara como um belga criado na França. Quem era ele realmente? Eles deveriam descobrir. Natalia ficou surpresa; pareceu-lhe que Trotsky percebera algo novo sobre "Jacson", mas ainda não chegara, ou melhor, não tinha pressa em chegar a qualquer conclusão. Entretanto, as implicações do que ele dissera eram alarmantes: se "Jacson" os estava enganando sobre a sua nacionalidade, por que fazia isso? Ele não estaria os enganando sobre outras coisas também? Sobre o quê? [132]

Em sua exposição do "Último ano de Trotsky", David North citou uma entrevista gravada que realizou em 1977 com o proeminente jornalista mexicano do jornal Excelsior, Eduardo Tellez Vargas. Ele contou sobre seu último encontro com Trotsky, ocorrido em 17 de agosto de 1940, apenas três dias antes do assassinato.

Eduardo Tellez Vargas, dezembro de 1976 (crédito: David North)

Sentindo sincera admiração pelo grande revolucionário, Tellez Vargas ficou profundamente perturbado com o que Trotsky lhe disse. Tellez Vargas contou: "Chegou um momento em que Trotsky não confiava em absolutamente ninguém. Ele não especificou ou deu nomes, mas me disse: ‘Eu serei morto ou por alguém daqui ou por um dos meus amigos de fora, por alguém que tenha acesso à casa. Porque Stalin não pode poupar minha vida’".

Dado que essa visita ocorreu também em 17 de agosto, é provável que Jacson-Mornard fosse um dos suspeitos de Trotsky. [133]

Jacson-Mornard não matou Trotsky em 17 de agosto. Ao invés disso, o assassino agiu de forma a aumentar a desconfiança de Trotsky, levando-o a afirmar "que ele não desejava ver 'Jacson' de novo". Com essa constatação,a trama da GPU sofria potencialmente um grande revés. Mas, notavelmente, essa não seria a última oportunidade de Jacson-Mornard para assassinar Trotsky.

Manhã e tarde de 20 de agosto de 1940

Luri explicou que, na manhã de 20 de agosto, Jacson-Mornard deixou o Hotel Montejo às 9 da manhã, mas "retornou ao hotel ao meio-dia agitado". [134] Ageloff alegou mais tarde que Jacson-Mornard estava na embaixada americana planejando a viagem de retorno deles aos Estados Unidos. "Sylvia perguntou a ele por que demorou tanto", escreveu Luri. "Ele respondeu que enfrentara longas filas" na embaixada. "Ela sugeriu um passeio para acalmar seus nervos. Eles poderiam tomar algo enquanto esperavam pelo almoço". [135]

Passeando pelo centro da cidade, o casal encontrou Otto Schüssler e sua esposa, e fizeram planos de encontrá-los para jantar. Schüssler, um dos guardas de Trotsky no México desde o início de 1939, possuía uma história com Trotsky mais longa do que a de quase todos os outros moradores do complexo. [136]

Nascido em 1905 em uma família operária na Alemanha, Schüssler serviu como secretário de Trotsky em 1932, quando ele foi exilado na ilha turca de Prinkipo. Em novembro daquele ano, ele viajou com Trotsky para Copenhague como seu secretário e como parte de sua equipe de segurança. Pierre Broué observa que Schüssler serviu novamente como secretário de Trotsky entre novembro de 1933 e abril de 1934, quando ele ficou exilado em Barbizon, na França.

Schüssler foi interrogado pela polícia após o ataque de 20 de agosto. Ele explicou:

Por volta das 13h00 do dia 20 e perto do Palácio de Bellas Artes, o declarante [Schüssler] encontrou Frank Jackson [sic] e Silvia [sic] Ageloff [137], que ele cumprimentou e com quem começou a conversar. Silvia disse ao declarante que, no dia seguinte, eles retornariam aos Estados Unidos e, por essa razão, no período da tarde, eles visitariam Coyoacán para se despedir do Sr. Trotsky e de sua esposa, explicando que eles viajariam [para os EUA, eles alegaram] já que Jackson estava doente por conta da altitude da cidade e da comida. [138]

Ageloff queria saber se Schüssler estaria na casa de Trotsky naquela noite. Ele disse a Ageloff e Jacson-Mornard que planejava se ausentar do complexo. Ageloff respondeu convidando Schüssler para jantar. Ele tentou recusar o convite e a incentivou a visitar a casa de Trotsky no dia seguinte, quando ele estaria presente, mas Ageloff insistiu que eles combinassem o jantar naquela noite. A declaração prossegue:

Mesmo quando o referido indivíduo [Schüssler] disse que poderia fazer uma visita no dia seguinte, Silvia respondeu não ser possível devido ao horário de partida do avião deles, e que precisavam pegar suas malas. Ela perguntou ao declarante se ele estaria em Coyoacán naquela noite para se despedir, e ele [Schüssler] respondeu que, como aquele era seu dia de folga, estaria na cidade. Sendo assim, Silvia lhe perguntou se ele gostaria de encontrá-los para jantar naquela noite. Quanto ao convite, Jacson concordou que poderia encontrá-los à noite. Após aceitar o convite para se encontrar às 19h30 na esquina da Av. Francisco Madero e San Juan de Letran, Jackson disse não ter tempo para continuar conversando e se foi. [139]

Luri explicou que, durante a interação com os Schüsslers:

Ele [Jacson-Mornard] continuou a agir com nervosismo. De repente, ele comentou que esquecera algo importante, virou-se e partiu. Sylvia tentou justificar sua indelicadeza devido à sua saúde deteriorada: "Ele está com a saúde fraca, sem dúvida por causa da altitude e da comida. É por isso que estamos partindo". [140]

Tendo marcado o encontro, Jacson-Mornard e Ageloff retornaram ao Hotel Montejo. A transcrição de um interrogatório policial a Ageloff feito mais tarde diz:

Em resposta à pergunta sobre o horário em que ela viu Jacson pela última vez naquele dia, ela disse que eram aproximadamente 14:10, notando que, quando ele se levantou, ela perguntou se ele usaria sua capa de chuva. Ele respondeu que sabia que, ou a levava consigo, ou voltaria para buscá-la, decidindo finalmente ir até o armário onde a capa estava e levá-la. [141]

A picareta utilizada no crime, assim como uma adaga e uma pistola estavam escondidos na capa de chuva.

Schüssler tenta ligar para a casa de Trotsky

Mais tarde naquela noite, às 18:30, Schüssler e sua esposa chegaram ao restaurante Swastica, onde haviam combinado de encontrar Ageloff e Jacson-Mornard. Schüssler contou mais tarde à polícia mexicana:

Após cerca de 15 ou 20 minutos, Silvia chegou, informando-o [Schüssler] que ela não sabia o que acontecera com Jackson [sic] mas que, após comerem juntos, ele saiu explicando ter uma questão urgente com o Sr. Alfredo Viñas ... e que ele havia concordado em voltar mais tarde para fazer a visita de despedida a Trotsky e depois jantar como haviam combinado antes. [142]

Jacson-Mornard não estava no jantar porque estava em Coyoacán. Ele já havia chegado ao local sozinho. Ele disse a Trotsky e aos guardas que Ageloff chegaria em breve para se despedir antes do casal partir no dia seguinte. [143] Os guardas o deixaram entrar. Afinal de contas, Sylvia geralmente vinha se despedir antes de partir para os EUA. Com base nesse comportamento passado, a visita de Jacson-Mornard pareceu natural.

Enquanto isso, no centro da cidade com Ageloff, Schüssler começava a se preocupar com a ausência de Jacson-Mornard. Ele conseguiu obter dela o endereço de Viñas. Esse homem evidentemente trabalhava na Paseo de la Reforma, 1329 ou 1331. [144] Schüssler disse à polícia que Ageloff insistiu-lhe para não ligar à casa de Trotsky para perguntar se Jacson-Mornard estava lá:

Por causa do aparente nervosismo de Ageloff, ele [Schüssler] sugere que liguem para a casa de Trotsky para saber se Jackson fora ao local para despedir-se. Entretanto, Sylvia lhe diz: "Não faça isso porque tenho certeza que ele não estará lá, já concordamos em ir juntos". [145]

Schüssler levou Ageloff ao endereço onde ela afirmou que o escritório do Sr. Viña estava localizado, porém, o endereço não existia. Ela os levou para outros endereços, mas Jacson-Mornard não pôde ser encontrado.

Schüssler finalmente ligou para a casa de Trotsky, e soube que ele havia sido atacado. Ao informá-la, Schüssler explicou: "Sylvia ficou muito nervosa e começou a chorar". [146] Eles pegaram um táxi para a Calle Viena, 55, em Coyoacán.

Enquanto isso, na casa de Trotsky, a polícia mexicana havia chegado e Trotsky fora levado às pressas ao hospital. Segundo o guarda mexicano de Trotsky, Melquiades Benitez Sanchez, houve um atraso no transporte de Trotsky ao hospital porque Joseph Hansen ocupou o telefone e "tentou sem sucesso chamar a Cruz Verde". [147] Eventualmente, outro membro da guarda, Charles Cornell, foi correndo buscar um médico, que chegou 20 minutos depois. Tempo crítico fora desperdiçado.

Ageloff, agora na casa, pareceu entrar em pânico. Luri escreveu:

Sylvia, perplexa, corria pelos quartos. Ela vestia uma camisa branca, no estilo marinheiro, com um casaco marrom de couro velho. Havia algo em sua figura que era muito infantil, ressaltado por essa roupa que estava fora de sintonia com as circunstâncias. Ela era como uma criança perdida na desordem da sua própria vida. Ocasionalmente, ela soltava um grito: "Eu fui apenas usada!". [148]

Ageloff é presa

Os mexicanos não compraram a encenação de Ageloff. Octavio Fernández, um importante trotskista mexicano e organizador da vida em exílio de Trotsky, contou à acadêmica mexicana Olivia Gall o que aconteceu quando Ageloff chegou à casa de Trotsky: "Após a ambulância levar Trotsky para o 'México' [o hospital], o comandante Galindo disse a Sylvia: 'Você está presa'".

Octavio Fernández (crédito CEIP)

Fernández explicou que ele acreditava que Ageloff estava trabalhando para a GPU. Ele explicou:

Eu o convenci [Comandante Galindo] a me deixar entrar na viatura em que ela estava sendo colocada. Era o motorista, Sylvia e eu, e atrás de nós estavam o Comandante Galindo e dois agentes. Eu conhecia Sylvia desde 1934. Comecei a tentar falar com ela. Ela estava chorando, sofrendo um ataque histérico, e apenas repetia: "Por que deixaram Jacson entrar? Por que deixaram Jacson entrar?", e eu disse: "Mas Jacson é seu marido, não?". "Sim – ela repetia sem parar – mas por que eles o deixaram entrar?" Então eu entendi que ela sabia algo, que ela conhecia ao menos uma razão pela qual não deveríamos ter deixado Jacson entrar na casa. Frente às minhas perguntas incessantes, ela só era capaz de responder: que sabia que ele estava envolvido em "assuntos suspeitos" com um homem chamado Bills ou algo assim, que estava localizado no edifício Ermita. ... "Mas se você sabia disso, se depois do processo [de Siqueiros por seu atentado em maio] foi publicado que Siqueiros tinha um escritório no edifício Ermita, por que não nos avisou?". Ela não respondeu. Chegamos à delegacia, eles a levaram, e eu não pude mais falar com ela. [149]

Após o ataque: Ageloff finge histeria

Depois de prender Ageloff e Jacson-Mornard, a polícia mexicana os separou e tentou interrogar cada um individualmente. Empregando essa tática policial padrão, as autoridades esperavam comparar os dois conjuntos de respostas para determinar se as histórias dos suspeitos estavam de acordo, e utilizar as inconsistências para fazer avançar a investigação.

“Quero uma reunião com o cônsul imediatamente – Sylvia Ageloff” Nota publicada por Julian Gorkin

Após sua prisão, a resposta imediata de Jacson-Mornard ao interrogatório foi negar qualquer conexão com a GPU e afirmar que ele era um trotskista frustrado que atacou Trotsky quando ele se opôs ao seu casamento com Ageloff. Novamente, o nome de Sylvia aparece no centro de sua mentira.

Sylvia Ageloff não respondeu quando a polícia tentou interrogá-la. Luri escreveu: "Sylvia passou os dias após o ataque na cama, sem tirar a blusa branca de marinheiro. Quando alguém entrava no quarto, ela gritava imediatamente e virava os ombros". [150]

Tanto o FBI como a polícia mexicana tentaram interrogá-la, sem sucesso. Em 22 de agosto, George Shaw, do Consulado dos Estados Unidos no México "tentou falar com ela, mas ela entrou em uma crise nervosa". [151]

A polícia mexicana acreditava que ela estava fingindo estar em choque para evitar responder perguntas e para bloquear a investigação. O doutor Moisés Orozco, o médico responsável pelo atendimento de Ageloff enquanto ela estava detida, disse ao jornal mexicano Novedades em 24 de agosto que não tinha dúvida de que Ageloff era "uma grande comediante". O doutor Orozco explicou que o ritmo cardíaco de Ageloff não aumentava quando ela fingia estar em pânico, o que mostrava que ela estava mentindo, já que indivíduos sofrendo extremo estresse, ansiedade ou ataques de pânico apresentam um aumento no ritmo cardíaco. [152] O doutor Orozco disse ao Novedades:

Ela é professora de psicologia. Ela sabe como evitar interrogatórios e como se apresentar como a vítima utilizando seus conhecimentos. Ela conhece a psicologia daqueles que a interrogam melhor do que eles a dela, é isso que você deve entender. O seu pulso está normal quando ela tem os ataques, o que mostra que é exclusivamente um truque. [153]

Em 26 de agosto, o Novedades publicou outro artigo explicando: "Com o passar dos dias, e considerando a estranha atitude adotada por esta mulher, seus supostos ataques de histeria e as circunstâncias que coincidem com a vida e os milagres do assassino do ex-Comissário Vermelho dos Sovietes, torna-se cada vez mais difícil acreditar na sua inocência". [154]

Sylvia Ageloff (esquerda) e Mercader (direita) após o assassinato

Os falsos ataques de histeria de Ageloff foram claramente encenados. Ela atrasou a investigação da polícia e obstruiu seus esforços para confrontar Jacson-Mornard com a versão dela dos acontecimentos. Isso deu tempo para Jacson-Mornard se acalmar e recompor o álibi que havia construído com seus adestradores da GPU na cidade de Nova York.

As primeiras entrevistas de Ageloff com a polícia mexicana

Eventualmente, Ageloff começou a responder às perguntas. A investigação foi supervisionada por Leandro Sanchez Salazar, que conduziu várias entrevistas com Ageloff e teve a oportunidade de estudar o seu comportamento e comparar suas respostas com os fatos levantados nas primeiras etapas da investigação.

Ele se convenceu de que ela era culpada, como cúmplice da GPU de Jacson-Mornard. Luri explicou:

O Coronel Leandro Salazar, encarregado da investigação, ordenou que um guarda vigiasse Sylvia Ageloff como uma cúmplice no assassinato. Ele achou que não poderia haver alguém tão ingênuo a ponto de não entender o que se passava ao seu entorno. Como ela pôde acreditar que Ramón era um jornalista esportivo, sendo que nem assistia a competições esportivas e nem escrevia uma linha sobre esportes? Como ela não suspeitou que o homem que em Paris se passou por jornalista, no México, sob aquelas circunstâncias, tentou se passar por engenheiro mecânico, engenheiro de mineração especializado em diamantes (como ele disse a Natalia Sedova) ou vendedor de açúcar e petróleo (como ele disse a Otto Schüssler)? Como ela não duvidara dele com todas as suas diversas identidades e histórias implausíveis, como a da agência Argus? Sylvia respondeu a todas essas perguntas de uma maneira completamente confusa. [155]

Outros membros da polícia à frente da investigação começaram a tirar as mesmas conclusões. Em 26 de agosto, o Palm Beach Post em língua inglesa "noticiou que, segundo o chefe da polícia, José Manuel Núñez, ela [Ageloff] estava 'provavelmente' implicada nos fatos". [156] Parecia cada vez mais provável que ela enfrentaria uma longa prisão.

Leandro Sanchez Salazar

Em 30 de agosto, o empregador de Sylvia Ageloff a demitiu por seu papel no ataque. William Hodson, chefe do Departamento de Assistência Social de Nova York, "comunicou oficialmente que rescindiu seu contrato de trabalho porque suas férias tinham terminado seis dias antes e não havia notícias quanto a seu retorno ao trabalho, e pela publicidade em torno do que ocorreu no México. Hodson declarou à imprensa que isso era o que precisava acontecer, dada a baixeza moral de Sylvia". [157]

Ageloff e Mercader são colocados na mesma sala

Em uma ocasião, como parte da investigação, a polícia levou Ageloff e Jacson-Mornard para a mesma sala a fim de testar como eles reagiriam se vendo pela primeira vez desde o dia 20. Quando colocados um diante do outro, Jacson-Mornard afundou a cabeça nas mãos e implorou à polícia que o levasse embora. Ageloff ficou mais uma vez histérica e recusou-se a questioná-lo sobre o relacionamento que tiveram ou a pedir explicações sobre as mentiras que ele lhe contara enquanto estiveram juntos. Ela também exigiu que a reunião fosse encerrada.

Se ela estivesse interessada em expor as ligações de Mercader com a GPU, Ageloff teria utilizado a interação entre eles para confrontá-lo sobre as muitas situações que agora demonstrariam inequivocamente que ele era um agente da GPU. Entre todas as pessoas do SWP que o conheciam, ela estava melhor posicionada para pressioná-lo sobre as inconsistências de sua história. Ela poderia ter lhe perguntado sobre o incidente no edifício Ermita, sobre o comício stalinista de março de 1940 que ela afirmou ter participado com ele, sobre a sua presença na conferência de fundação da Quarta Internacional de 1938, sobre a Argus Press, ou sobre os seus pais e o seu acesso ao dinheiro. Ela poderia ter confrontado Jacson-Mornard sobre as pessoas que ele conhecia e que também poderiam estar envolvidas. Tudo isso teria beneficiado muito a investigação policial e proporcionado pistas decisivas às autoridades mexicanas.

Ao invés disso, ela gritou: "Levem esse assassino para longe de mim. Matem-no! Ele assassinou Trotsky! Matem-no! Matem-no!" [158]

Isso era consistente com o objetivo dos stalinistas, que, segundo Gorkin, escreveram a falsa confissão de Jacson-Mornard esperando que incitasse os guardas de Trotsky a matá-lo e impedi-lo de falar. Imediatamente depois de ter atingido o crânio de Trotsky, o próprio Jacson-Mornard disse aos guardas de Trotsky: "Matem-me! Matem-me de uma vez por todas. Eu não mereço viver. Matem-me. Eu não o fiz por ordem da GPU, mas me matem". [159]

Ao exigir sua morte, Ageloff não apenas impedia a investigação, como também agia de forma totalmente inconsistente com a de um membro do movimento trotskista em tais circunstâncias.

Em 1940, Ageloff possuía uma história de seis anos no movimento socialista e se apresentava como uma trotskista leal. A sua atividade política atravessou os anos do Grande Terror stalinista, quando o movimento trotskista denunciou o método stalinista de assassinar sistematicamente os seus opositores políticos e caracterizou-o como uma expressão da natureza contrarrevolucionária da burocracia stalinista. O movimento trotskista se opôs a esses métodos não com terrorismo, violência e vingança física, mas com os métodos da exposição e educação políticas. Por essa razão, o próprio Trotsky ordenou a seus guardas que mantivessem o seu agressor vivo após o ataque, para que o papel da GPU pudesse ser exposto: "Diga aos rapazes para não matá-lo. ... Ele deve falar". [160]

Ageloff, em contraste, exigiu que ele fosse morto e silenciado. Esse teatro se assemelhava muito mais à resposta de um stalinista do que de um membro do movimento trotskista. Não era a resposta de alguém interessado em obter informações sobre quem era realmente o assassino e com quem ele estava trabalhando.

Continua

***

Referências:

[Fontes não mostradas estão disponíveis na Parte um ou Parte dois]

[94] Relatório do FBI de J. Edgar Hoover de 24 de agosto de 1940.

[95] Luri, p. 245.

[96] Sanchez Salazar, p. 136.

[97] Ibid., pp. 219–20.

[98] Ibid., p. 220.

[99] Relatório do FBI de 23 de agosto de 1940.

[100] Relatório do FBI de 13 de setembro de 1940, pelo agente N.O. Scott.

[101] Puigventós na locação 2.541.

[102] Relatório do FBI para B.E. Sackett de 4 de setembro de 1940.

[103] Memorando do Consulado Geral dos EUA na Cidade do México, 1 de setembro de 1940.

[104] Volkogonov, p. 459.

[105] Ibid., p. 456.

[106] Puigventós na locação 4.503.

[107] Ibid. na locação 4.526.

[108] Ibid. na locação 4.545. Citando Dirreción General de Investigaciones Políticas y Sociales, Caja 127. Expediente 27, páginas 108–09.

[109] Puigventós na locação 4.503.

[110] Deutscher, p. 497.

[111] Puigventós na locação 4.527.

[112] Ibid. Fazendo referência ao Archivo General de la Nación. Tribunal Superior de Justicia del DF Año 1940. Caja 3,265. Folio 602993, página 41.

[113] Ibid. na locação 4.546.

[114] Ibid. na locação 4.503.

[115] “What flights used to cost in the ‘golden age’ of air travel,” Travel+Leisure, 13 de agosto de 2017, disponível aqui.

[116] Relatório do FBI do agente R.N. Hosteny, 25 de setembro de 1940.

[117] “Overnight Air Service to Mexico City to Start”, Washington Evening Star, 26 de fevereiro de 1940. Disponível aqui.

[118] Relatório do FBI do agente R.N. Hosteny, 25 de setembro de 1940.

[119] Ibid.

[120] “The Smith Act trial and government infiltration of the Trotskyist movement,” Eric London, World Socialist Web Site, 8 de dezembro de 2016, disponível aqui.

[121] Puigventós na locação 4.532.

[122] Ibid na locação 4.546.

[123] Ibid.

[124] Barrón Cruz, p. 165.

[125] “Natalia Trotsky Answers A Foul Slander”, Socialist Appeal, 26 de outubro de 1940.

[126] Luri, p. 245.

[127] “Natalia Trotsky Answers A Foul Slander”.

[128] L. Mercader, G. Sanchez, My Brother Killed Trotsky (Moscow: Kuchkovopole, 2011[edição russa]), p. 159.

[129] “Natalia Trotsky Answers A Foul Slander”.

[130] Deutscher, p. 497.

[131] Ibid., pp. 497–98.

[132] Ibid., p. 498.

[133] David North, “O último ano de Trotsky, parte seisWorld Socialist Web Site, 14 de dezembro de 2020.

[134] Luri, p. 246.

[135] Ibid., pp. 246–47.

[136] Veja Trotskyana biography of Otto Schüssler, disponível aqui.

[137] A polícia mexicana soletra frequentemente “Jacson” como “Jackson” e “Sylvia” como “Silvia.”

[138] Barrón Cruz, p. 47.

[139] Ibid.

[140] Luri, p. 247.

[141] Barrón Cruz, p. 166.

[142] Ibid., pp. 47–48.

[143] Joseph Hansen, “With Trotsky Until the End,” Fourth International Magazine, outubro de 1940, p. 117.

[144] Barrón Cruz, p. 48.

[145] Ibid.

[146] Ibid.

[147] Ibid., p. 53.

[148] Luri, pp. 250–51.

[149] Gall, pp. 354–55.

[150] Luri, p. 261.

[151] Ibid., p. 262.

[152] Por exemplo, o Sistema Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido explica: “Os sintomas físicos de um ataque de pânico são acusados pelo seu corpo entram na reação de lutar ou fugir (‘fight or flight’). Conforme o seu corpo tenta obter mais oxigênio, a sua respiração se acelera. O seu corpo também libera hormônios, como adrenalina, causando o aumento do seu batimento cardíaco e o tensionamento dos seus músculos”. Disponível aqui.

[153] Luri, p. 262.

[154] Ibid., p. 264.

[155] Ibid., p. 252.

[156] Ibid., pp. 264–65.

[157] Ibid., pp. 267–68.

[158] Sanchez Salazar, p. 149.

[159] Ibid., p. 141.

[160] Hansen, p. 116.

Loading